NOTÍCIAS
14/01/2015 10:03 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Nova edição da Charlie Hebdo causa filas na França e é vendida por fortunas na internet (FOTOS)

Montagem / Reprodução / Agências de Notícias

Uma semana após o atentado contra a revista satíricaCharlie Hebdo - que deixou 12 pessoas mortas, entre importantes cartunistas do país - os franceses fizeram fila desde de manhã cedo para garantir o exemplar histórico da revista, que teve tiragem de 3 milhões de exemplares. Geralmente, circulam 60 mil exemplares da Charlie Hebdo, semanalmente.

Os números das vendas não estavam disponíveis imediatamente, mas na maioria das bancas de revistas de Paris, a revista se esgotou rapidamente. Onde ainda era possível encontrar a Charlie Hebdo, cuja edição trouxe uma charge de Maomé na capa e sátiras do papa Francisco e da chanceler alemã, Angela Merkel, havia grandes filas.

Kiosque place de la République à 7h30 ce matin. #CharlieHebdo

Une photo publiée par Jérôme Godefroy (@jeromegodefroy) le

Em uma das charges publicadas na revista, há uma ilustração que mostra jihadistas conversando, com um que diz: "nós não devemos tocar o pessoal da Charlie Hebdo". O outro, então, responde: "nesse caso, eles vão ficar como mártires, e quando forem para o paraíso, vão roubar as nossas virgens".

Diante da grande procura, em poucas horas era possível encontrar exemplares sendo vendidos na internet. Os preços variavam bastante: de € 1 (R$ 3,10) até € 300 (R$ 930). O preço de capa da revista é de € 3 (9,30).

Ao longo da semana, diante da expectativa pela edição, algumas bancas já haviam estabelecido algumas regras para a venda.

Charlie des survivants : "pas de réservation, un seul exemplaire par personne" #Nice06

Uma foto publicada por @bernouin em

Na maioria dos quisques, a compra também foi limitada a um ou dois exemplares por pessoa. Na Gare du Nord, estação de trem em Paris, um vendedor afirmou que 1.000 exemplares foram vendidos em dez minutos, algo inédito desde os atentados de 11 de setembro.

Foi anunciada uma reimpressão das revistas, que serão distribuídas novamente entre esta quarta-feira (14) e a quinta (15). A tiragem será ampliada para 5 milhões de exemplares, para evitar o comércio a preços exorbitantes e para satisfazer todos os leitores.