NOTÍCIAS
09/01/2015 22:14 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Al-Qaeda no Iêmen teria dirigido atentado à Charlie Hebdo, afirma membro do grupo

Reprodução/Twitter

A Al-Qaeda na Península Arábica dirigiu o atentado à revista satírica Charlie Hebdo, na última quarta-feira (7), afirmou um dos membros do grupo à Associated Press no dia de hoje (9). De acordo com a fonte, a ação foi uma resposta de "vingança pela honra" do profeta Maomé.

Segundo informações das inteligências dos Estados Unidos e do Iêmen, pelo menos um dos irmãos Kouachi, autores do atentado que deixou 12 mortos, viajou ao Iêmen em 2011 e recebeu treinamento da Al-Qaeda. Os norte-americanos acreditam, ainda, que Said Kouachi foi preparado para, ao voltar à Paris, conduzir o ataque. Se isso for confirmado, o atentado à Charlie Hebdo será a primeira ação bem sucedida do braço no Iêmen em dois anos de tentativas de ataques no Ocidente.

Em seguida, foi divulgado um vídeo em que o xeque Harith al-Nadhari, um dos líderes da Al-Qaeda, chama os franceses de "imundos" e alega que eles são "os cabeças dos infiéis que insultam os profetas". "É melhor vocês pararem de acertar os muçulmanos para que vocês possam viver em paz", disse no vídeo. "Mas se vocês desejam a guerra, então regozijem-se! Vocês não terão paz enquanto vocês sustentarem a guerra contra Deus e seus profetas, e a luta contra os muçulmanos."

De acordo com a AP, os líderes da Al-Qaeda na Península Arábica dirigiram as operações e escolheram os alvos como "vingança pela honra do profeta". A fonte anônima da agência afirmou ainda que a França foi escolhida devido ao "papel óbvio que desemprenha na guerra contra o Islã e as nações oprimidas", e que o grupo deve continuar a política do chefe da Al-Qaeda Ayman al-Zawahri, que deseja "acertar a cabeça da serpente até que o Ocidente se retrate".

LEIA MAIS

- Terror em Paris: ataque a revista satírica deixa mortos e feridos

- Após sete horas de cerco policial, polícia mata suspeitos de ataque à revista Charlie Hebdo

- Atentado contra Charlie Hebdo: o mais sangrento em 50 anos