MUNDO
07/01/2015 14:44 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

FOTOS: O atentado em Paris

AP Photo

A França está de luto. Nesta quarta-feira (7), pelo menos dois homens armados invadiram a redação da revista Charlie Hebdo e abriram fogo contra os jornalistas.

Pelo menos 12 pessoas foram mortas, e cinco foram feridas. Os atiradores, segundo a polícia, fugiram em um carro - que foi abandonado instantes após o tiroteio, em outra região de Paris.

O presidente do país, François Hollande, afirmou que o incidente "foi, sem sombra de dúvida, um atentado terrorista". Ele também fez um apelo à unidade nacional em seu discurso.

  • AP Photo/Remy De La Mauviniere
    Pedestres observam a rua onde está localizada a sede da revista Charlie Hebdo, em Paris
  • AP Photo/Remy De La Mauviniere
    Presidente da França, Francois Hollande, chega ao local do atentado sob forte esquema de segurança
  • AP Photo/Thibault Camus
    Marca de bala é vista em janela de edifício próximo à sede da revista Charlie Hebdo
  • AP Photo/Francois Mori
    Comboio de ambulâncias chega ao local do atentado. Pelo menos 12 pessoas morreram em ataque à sede da revista satírica Charlie Hebdo, em Paris
  • AP Photo
    Investigadores forenses examinam carro que possivelmente foi usado pelos atiradores durante a fuga. O veículo foi abandonado pouco após o atentado, em outra região de Paris
  • REUTERS/Charles Platiau
    Primeiro-ministro da França, Manuel Valls (à dir.) conversa com membros da Cruz Vermelha em frente ao local do atentado
  • Reuters
    Equipes de socorro retiram homem ferido no atentado contra a revista Charlie Hebdo, em Paris
  • Reuters
    Vista geral da rua onde fica a sede da revista Charlie Hebdo. Pelo menos 12 pessoas foram mortas quando dois homens entraram no edifício fortemente armados
  • AP Photo/Christophe Ena
    Soldados franceses patrulham a Torre Eiffel após atentado contra a revista Charlie Hebdo. Alerta de segurança da região foi elevado ao nível máximo
  • REUTERS/Charles Platiau
    Mulher é cercada por jornalistas ao chegar com um buquê de rosas na cena do crime
  • Reuters
    Homem pendura cartaz que diz "Eu sou Charlie", como forma de homenagear às vítimas e defender a liberdade de expressão na França