MUNDO
30/12/2014 08:56 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

O que causou a queda do avião da Air Asia? Veja as principais teorias

Reuters

Foi confirmado, na nesta terça-feira (30), o aparecimento, perto da ilha de Bornéu, no Mar de Java, de destroços do Airbus 320-200 da AirAsia, desaparecido no último domingo (28), quando voava com 162 pessoas a bordo, de Surubaya, na Indonésia, com destino a Cingapura.

A busca pelo avião desaparecido, realizada por uma força-tarefa composta por vários países, havia sido dificultada pelas más condições meteorológicas.

Com o aparecimento dos destroços e a confirmação que, de fato, eles pertencem ao Airbus 320-200, a busca agora é pelos corpos das vítimas do desastre - e eventuais sobreviventes. Mas qual foi o motivo da queda do avião?

O que se sabe até agora?

O avião – um Airbus 320-200 - saiu de Surubaya, na Indonésia, com destino a Cingapura. Em circunstâncias normais, a viagem duraria pouco menos de duas horas.

Estavam a bordo 155 passageiros e sete membros da tripulação.

De acordo com a CNN, às 6h12 da manhã (hora local), um dos pilotos pediu permissão para voar a uma altitude mais elevada, por causa das más condições meteorológicas. Ainda de acordo com a emissora americana, o pedido foi negado, por causa de outra aeronave, que voava um pouco acima do voo 8501.

Na manhã de domingo (29) – na madrugada de sábado para domingo, no horário de Brasília – a companhia confirmou que a aeronave havia perdido contato com os controladores às 7h24 (horário local).

A AirAsia, que nunca havia registrado um acidente deste porte afirmou que a aeronave envolvida na fatalidade havia passado por manutenção no dia 16 de novembro.

O que pode ter causado o acidente?

Por enquanto, tudo não passa de especulação. As causas da queda só poderão ser esclarecidas quando os destroços forem encontrados. No entanto, especialistas já apontam algumas razões que podem ter causado - ou contribuído - para o desastre.

1. Condições meteorológicas

De acordo com o AU News, antes de desaparecer, a aeronave tentava passar por uma região de tempestade “nível cinco”. Segundo especialistas consultados pelo site, entrar em uma tempestade dessa magnitude, implica em riscos relativamente altos.

2. Mau tempo + desorientação dos pilotos

Segundo o USA Today, uma das possibilidades é de que, assim como aconteceu com o avião da Air France que voava do Rio de Janeiro para Paris, uma tempestade pode ter interferido nos indicadores de velocidade e altitude do equipamento, causando a desorientação dos pilotos.

3. Radares obsoletos

Apesar de ser uma aeronave sofisticada, o A320 não está equipado com radares de última geração, segundo um especialista ouvido pelo site australiano Herald Sun. Essa lacuna de equipamentos pode ser impedido que os pilotos tenham recebido um quadro completo da tempestade que atravessavam.