NOTÍCIAS
22/12/2014 21:58 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Graça Foster: 'Venina nunca fez nenhuma denúncia'

WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

Na noite desta segunda-feira (22), a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, disse que nunca fora avisada pela ex-gerente executiva, Venina Velosa da Fonseca, sobre irregularidades em curso dentro da empresa. A negativa veio no dia seguinte à entrevista de Venina ao Fantástico, em que afirmou ter conversado pessoalmente com Graça Foster sobre irregularidades na estatal.

Em entrevista ao Jornal Nacional, Graça Foster afirmou que, em 2009, Venina fez alertas, por meio de e-mail, sobre problemas na área de comunicação da diretoria de Abastecimento. Na época, Paulo Roberto Costa estava à frente do departamento, e Graça era diretora de Gás e Energia. O alerta, junto a documentos fornecidos por Venina, teria sido encaminhado a Costa.

"A Venina nunca fez nenhuma denúncia usando as palavras conluio, cartel, corrupção, fraude, lavagem de dinheiro", disse Graça. "A Venina nunca fez nenhuma denúncia na diretoria sobre essas questões, nunca falou desta forma para a diretoria e não falou para a Graça. "[Os e-mails de Venina eram] e-mails cifrados, truncados, muito misturados. Isso foi em outubro de 2011, quando eu já sabia que seria presidente da Petrobras. Sabíamos disso e isso estava sendo trabalhado dentro da companhia. Uns dias depois que eu estava já presidente, ela pediu para falar comigo e conversamos de novo. Sobre os desafios que tínhamos, foi uma conversa da necessidade que a gente tinha de ajustar a forma."

A atual presidente da Petrobras também afirmou que, ao contrário do que disse a ex-gerente executiva no Fantástico, Venina e ela nunca foram próximas.

"Não [era próxima de Venina], nem de nada", disse. "A gente nunca teve problemas, nunca trabalhou juntas em nenhum projetos. Não éramos próximas, tínhamos talvez respeito. Os e-mails que ela escreveu para mim são muito respeitosos, e eu sempre a respeitei. Ali de longe vi e olhava aquela pessoa que trabalhava muito e era muito determinada."

Outro ponto abordado por Graça foi a ida de Venina para Cingapura. De acordo com a presidente da estatal, Venina havia pedido para ser realocada em Cingapura.

"Nosso gerente-geral saiu e o [diretor de Abastecimento José Carlos] Cosenza me disse que a Venina pediu para ir para Cingapura", afirmou. "E foi para lá no dia 1º de julho de 2012 [e ficou] até 19 de novembro de 2014 no comando geral do escritório. Até onde chegou para mim, fez um bom trabalho como presidente do escritório. Ela pediu para ir para lá."