NOTÍCIAS
22/12/2014 21:04 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Dilma Rousseff diz que consultará Ministério Público sobre nomes de novos ministros e enfurece oposição e Joaquim Barbosa

ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO CONTEÚDO

A presidente Dilma Rousseff afirmou, na manhã desta segunda-feira (22), que irá consultar o Ministério Público para confirmar a nomeação de novos nomes para seu ministério. Em café da manhã com jornalistas, Dilma disse que quer saber se há algo contra alguns nos nomeados.

"Eu vou perguntar: 'há algo contra fulano que me impeça de nomeá-lo?' Só isso. Eu não quero saber o que ele não pode me dizer", afirmou a presidente. "Eu consultarei o Ministério Público mais uma vez, para qualquer pessoa que eu for indicar."

Dilma disse ainda que não tem conhecimento da lista de nomes citados nos processos de delação premiada e lembrou que a lista publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo não é oficial. "Eu só vou achar que é oficial no dia em que o procurador me disser que é oficial", afirmou.

Conforme o Estado revelou na última sexta-feira (19), o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa citou em depoimento 28 nomes de políticos que teriam recebido recursos do esquema de corrupção na Petrobras. Entre eles, o atual ministro das Minas e Energia, Edison Lobão.

INTENÇÃO DE DILMA É 'SURREALISTA'

Lideranças da oposição no Congresso criticaram a intenção da presidente Dilma de consultar o MP. Parlamentares afirmaram que a iniciativa é "surrealista" e "sem lógica".

"Isso revela que chegamos a uma situação surrealista em termos de ética na administração pública, porque para a presidente ter que se socorrer ao MP para nomear é realmente algo que estarrece", afirmou o vice-líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR). Para o tucano, a medida confirma que o governo está "apodrecido" em seu interior, uma vez que muitos governistas se envolveram no escândalo de corrupção que envolve a Petrobras. Dias afirmou que o MP é um órgão independente e não auxiliar do Poder Executivo, que, destacou, tem seus próprios mecanismos para avaliar seus potenciais novos ministros.

O líder da Minoria na Câmara dos Deputados, Ronaldo Caiado (DEM-GO), disse que a sugestão de Dilma aponta para uma "atitude totalmente bipolar" da presidente. O deputado do DEM lembrou que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cobrou a troca de toda a diretoria da Petrobras e, hoje, Dilma fez um pronunciamento elogioso e de defesa da manutenção da presidente da estatal, Maria das Graças Foster.

"Agora ela diz que vai consultar o MP para nomear os ministros? Não tem lógica o que ela está falando, ela está totalmente desconectada", disse Caiado. "Ficou claro e evidente a falta de condições de ela exercer as funções de presidente da República, porque, na primeira crise, ela quer transferir sua nomeação para terceiros suas atribuições", completou.

BARBOSA USA TWITTER PARA FAZER CRÍTICAS

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa também fez críticas à intenção de Dilma. No Twitter, ele disse que Dilma é mal assessorada e que a atitude da presidente reeleita é sintoma de "degradação institucional".

Joaquim Barbosa aproveitou para criticar indiretamente os cotados para assumir a cadeira vazia no STF desde sua aposentadoria — nos bastidores de Brasília, circula a informação de que o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot chefe do MPF, trabalha para ser nomeado.

Ele terminou a série de tweets lembrando qual é o papel do MP:

Ao longo deste ano, Barbosa foi sondado por integrantes da oposição a Dilma para se filiar a um partido e disputar um dos cargos em jogo. Candidatos oposicionistas ao Planalto, como Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) chegaram a flertar com ele para obter apoio. Mas Barbosa não declarou apoio. Em eleições anteriores, ele admitiu ter votado em Lula e em Dilma. A assessoria da Presidência da República afirmou que não comentaria as críticas de Barbosa.

(Com Estadão Conteúdo)

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost