NOTÍCIAS
22/12/2014 14:02 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Dilma defende Graça e diz que não pretende mudar diretoria da Petrobras

Agência Estado

Confrontada com novas denúncias envolvendo a Petrobras, a presidente Dilma Rousseff saiu em defesa nesta segunda-feira, 22, da presidente da estatal, Graça Foster. Indicou que não pretende mudar a diretoria da empresa, assegurou que está trabalhando para que a nota de crédito da Petrobras não seja rebaixada e avisou que pretende mudar o seu conselho de administração, sem entrar em detalhes. Dilma recebeu no Palácio do Planalto jornalistas que cobrem o Palácio do Planalto para o tradicional café da manhã de fim de ano com a imprensa.

"Tem de ter alguma prova apresentada sobre qualquer conduta da presidente da Petrobras, Graça Foster. Eu conheço a Graça, sei da seriedade, da lisura da Graça, acho que é importante saber qual é a prova que se apresentou (contra a presidente da Petrobras). Porque se eu disser que te falei, o que eu quero? Eu tenho de provar que falei", comentou Dilma.

"É muito difícil ter uma situação confortável quando existe a prática de condenar sem dar espaço pra defesa - é muito difícil -, sem perguntar pelas provas, nem pelos interesses. É muito fácil criar situação de constrangimento pra qualquer um."

Em entrevista exibida no último domingo, 21, pelo programa "Fantástico", da TV Globo, a ex-gerente-executiva da Diretoria de Abastecimento da Petrobras Venina Velosa da Fonseca disse que informou "a todas as pessoas que podiam fazer algo" sobre irregularidades verificadas por ela. Venina também afirmou que registrou suspeitas por e-mail, e discutiu pessoalmente o assunto com a atual presidente da estatal, Graça Foster, quando a executiva máxima da companhia era diretora de Gás e Energia.

"A Graça é uma pessoa ética", disse Dilma, confirmando que a presidente da Petrobras colocou o cargo à disposição. "Eu falei pra ela (Graça Foster) que, do meu ponto de vista, isso não era necessário. É óbvio que o cargo de todas as pessoas do governo estão à minha disposição. O fato de isso ocorrer (Graça colocar o cargo à disposição) é uma consideração comigo, é um ato que se podia chamar de educação política por parte da Graça", observou Dilma.

"Eu não estou pretendendo alterar a diretoria da Petrobras, não estou pretendendo. Alterarei o conselho de administração da Petrobras", disse a presidente.

Pra virar ministro, só depois de consulta ao Ministério Público

Na coletiva de hoje, Dilma também afirmou que consultará o Ministério Público antes de confirmar a nomeação de novos nomes para seu ministério. A presidente reeleita quer saber se há algo contra alguns nos nomeados.

"Eu vou perguntar: 'há algo contra fulano que me impeça de nomeá-lo?' Só isso. Não quero saber o que ele não pode me dizer", afirmou a presidente. "Eu consultarei o Ministério Público mais uma vez, para qualquer pessoa que eu for indicar."

Dilma disse ainda que não tem conhecimento da lista de nomes citados nos processos de delação premiada e lembrou que a lista publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo não é oficial. "Eu só vou achar que é oficial no dia em que o procurador me disser que é oficial", afirmou.

Conforme o Estado revelou na última sexta-feira, 19, o ex diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa citou em depoimento 28 nomes de políticos que teriam recebido recursos do esquema de corrupção na Petrobras. Entre eles, o atual ministro das Minas e Energia, Edison Lobão.