MULHERES
13/12/2014 13:27 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

7 frases do papa Francisco que incomodam as mulheres

Franco Origlia via Getty Images
VATICAN CITY, VATICAN - DECEMBER 10: Pope Francis speaks during his weekly audience in St. Peter's Square on December 10, 2014 in Vatican City, Vatican. The Holy Fathertold the thousands of faithful present that he wanted to share with them what took place and what the last Synod on the Families has produced. (Photo by Franco Origlia/Getty Images)

Este mês, quando o papa Francisco quis dar destaque ao fato de ter nomeado várias mulheres para integrar uma comissão teológica de alto nível, ele descreveu as teólogas como “morangos em cima do bolo”.

Quinze dias antes, ao fazer um discurso perante o Parlamento Europeu, Francisco recorreu a outra analogia envolvendo mulheres. Dessa vez, destacou a crise cultural e o declínio demográfico do continente, comparando a Europa a uma avó “que já deixou de ser fértil e vibrante”.

Sim, o papa é uma verdadeira máquina de cunhar frases. Ele vive lançando metáforas e comparações improvisadas que o público adora, em parte porque vêm da boca de um pontífice católico. O papado não é uma instituição conhecida por improvisar.

Mas, quando fala sobre mulheres, Francisco muitas vezes soa exatamente como o clérigo argentino de quase 78 anos de idade que é, recorrendo a analogias que soam às vezes paternalistas e politicamente incorretas, mesmo que a intenção seja boa.

Ele já falou muitas vezes sobre o “gênio feminino” e sobre a necessidade de que a Igreja desenvolva “uma teologia mais profunda das mulheres”, além de sua determinação de promover mulheres a cargos seniores em Roma. O papa também observa que algumas de suas frases pretendem ser brincadeiras, frutos de um senso de humor que faz parte de seu carisma.

Depois de um discurso em que o papa aconselhou as freiras a não se tornarem “solteironas espirituais”, Melinda Henneberger, do Washington Post, escreveu: “Não vejo como isso não possa ser um insulto a mulheres que já abriram mão de ter família própria para servirem a Deus”.

E, numa coluna publicada no Los Angeles Times esta semana, a estudiosa do Novo Testamento Candida Moss, da Universidade Notre Dame, e Joel Baden, professor de estudos bíblicos na Universidade Yale, tacharam de “nada mais que chauvinismo grosseiro” as alusões a avós feitas por Francisco no Parlamento Europeu.

Para eles, apesar de suas muitas declarações e reformas positivas, o papa “revela uma visão altamente patriarcal” do valor e do papel tradicional das mulheres.

A seguir, sete exemplos do que esses críticos repudiam.

 

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.