MUNDO
10/12/2014 20:43 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Técnicas de interrogatório utilizadas pela CIA no Oriente Médio são equivalentes a tortura

Nesta terça (9), o Senado americano divulgou um relatório de 6.300 páginas sobre o programa de detenções e interrogatórios da CIA (Agência Central de Inteligência) colocado em prática após o atentado de 11 de setembro de 2001.

No documento, que pode ser acessado integralmente no HuffPost, é possível ler relatos chocantes e extremamente detalhados de procedimentos análogos à tortura.

De acordo com o relatório, o tratamento brutal dos detidos não resultou em informações que servissem para impedir um único ato terrorista sequer.

Veja, abaixo, a que ponto horripilante chegaram as práticas da CIA, de acordo com o documento.

  • Alimentação por via anal
    Alimentação por via anal
    Wikimedia commons
    Ao menos cinco detentos foram submetidos ao processo, que consiste em colocar alimentos no reto do detento para mostrar "total controle sobre o preso".

    Uma das vítimas da técnica foi Majid Khan, braço-direito de Khalid Mohammed, acusado de planejar os atentados ao World Trade Center.

    De acordo com o relatório, homus, macarrão com molho, nozes e passas foram trituradas e introduzidas no reto de Khan.

    As refeições liquefeitas eram ministradas à força, com o objetivo de acabar com a greve de fome do detento de forma humilhante.
  • Privação do sono
    Privação do sono
    Reprodução
    Durante os "procedimentos avançados de interrogação", técnicas de privação do sono são empregadas rotineiramente.

    Música em volumes insuportáveis e ruído branco eram tocados às vezes 24 horas por dia. A CIA é autorizada a manter um detento acordado por até 180 horas (uma semana), mas o máximo registrado foram 102 horas.

    Técnicas como algemar o detento, manter a cela em temperaturas baixíssimas e jogar água no rosto de presos prestes a caírem no sono também foram reportadas.

    Um dos presos, Arsala Khan, sofreu alucinações após 56 horas sem dormir.
  • Confinamento em uma caixa
    Confinamento em uma caixa
    Human Rights Watch
    A prática foi autorizada durante a administração Bush, em interrogatórios no Afeganistão.

    O detento é colocado dentro de caixas de confinamento, onde não pode respirar direito nem esticar os membros.

    Para explorar a fobia dos detentos, os interrogadores recheavam a caixa com insetos.

    A imagem ao lado é um desenho realizado por um detento próximo de Muammar Gaddafi, que diz ter sido torturado ao longo de dois anos por interrogadores americanos.

    A caixa, de 1 m³, tinha furos laterais pelos quais os agentes da CIA inseriam instrumentos pontudos.
  • Surras, insultos e ameaças
    Surras, insultos e ameaças
    Reprodução
    Quase todos os entrevistados disseram ter sido surrados, amarrados e arremessados contra paredes.

    "Eu fui esmurrado e estapeado na cara e nas costas, até sangrar. Minha cabeça foi repetidamente arremessada contra um pilar, ao qual eu estava amarrado com uma corda em volta do pescoço", disse um dos detentos.

    Detentos também disseram ter ouvido ameaças a familiares. Abd al-Rahim al-Nashiri, acusado de bombardear o navio USS Cole, relatou que interrogadores ameaçaram trazer sua mãe e estuprá-la na sua frente.

    Nashiri também foi ameaçado com pistolas e furadeiras, de acordo com o relatório.
  • Afogamento simulado
    Afogamento simulado
    Wikimedia commons
    O "waterboarding" é uma forma de tortura que existe desde a Inquisição.

    Consiste em imobilizar o sujeito com um pano sobre a face e a cabeça inclinada para trás, jogando água sobre seu rosto e dentro de suas vias respiratórias.

    O torturado sofre dor intensa, lesões pulmonares, dano cerebral, devido à falta de oxigênio, e sequelas psicológicas sérias.

    Khalid Sheikh Mohammed foi submetido a 183 afogamentos simulados sem abrir a boca.
  • Água gelada
    Água gelada
    Wikimedia commons
    Em 2002, Gul Rahman, suspeito de terrorismo, morreu de hipotermia após ser imerso em água gelada em uma prisão secreta da CIA em Cabul.

    Um dos assistentes de Khalid Mohammed diz ter sido "embalado" em plástico após ter sido mergulhado em água gelada.

    Acima, imagem de procedimento de tortura com água empregado no presídio americano de Sing Sing, em Nova York.