NOTÍCIAS
02/12/2014 13:33 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Vírus da aids está mais brando, diz estudo da Universidade de Oxford

Getty Images

A virulência do HIV, causador da aids, diminuiu ao longo do tempo e está menos mortal, de acordo com uma pesquisa publicada na última segunda-feira no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

O estudo, coordenado pela Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, mostrou que o vírus está perdendo força ao se adaptar ao sistema imunológico humano e demorando mais tempo para provocar a doença. Os pesquisadores sugerem que isso se deve não só à evolução do vírus ao infectar pessoas imunes à aids, mas também ao acesso cada vez maior aos antirretrovirais, em especial em países da África com alta incidência de infecção.

Para sobreviver, o vírus HIV sofre diversas mutações dentro do corpo, adaptando-se ao sistema imunológico. No entanto, quando chega a alguém com a imunidade particularmente eficaz, o agente diminuiu sua capacidade de se replicar, tornando-se mais “fraco” e demorando para causar a doença. Transmitido entre as pessoas, o vírus acaba se apresentando menos agressivo, o que, no futuro, poderia fazer com que os infectados se mantenham assintomáticos durante anos.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores estudaram dois grupos de cerca de 1.000 soropositivos na África do Sul e em Botsuana, dois países muito afetados pela aids, entre 2002 e 2013.

Em Botsuana, onde a prevalência da aids entre adultos soropositivos é maior que na África do Sul (e onde a epidemia surgiu antes), os autores do estudo constataram que o vírus sofreu uma mutação genética, como resposta imunológica provocada pelos antirretrovirais. Sua capacidade de se replicare sua virulência diminuíram em 10%, em comparação com o que se observou em um grupo de pessoas infectadas na África do Sul, onde os tratamentos começaram mais tarde.

"Se o processo observado neste estudo se confirmar, os programas atuais de prevenção e tratamento da infecção por HIV deveriam ser acelerados", afirma o estudo.

Antirretrovirais — Desde 2012, autoridades sanitárias no mundo, entre eles o secretário americano da Saúde, recomendam tomar antirretrovirais para a prevenção da doença em grupos de risco, como como os transexuais, a população carcerária, os viciados em drogas e as prostitutas, que representam cerca da metade das novas infecções anuais. A Organização Mundial da Saúde (OMS) adotou estas recomendações em julho de 2014.

Segundo a ONU, 35 milhões de pessoas no mundo tinham HIV no final de 2013, ano em que se infectaram 2,1 milhões de pessoas e morreram 1,5 milhão.

(Com AFP)

LEIA MAIS:

- Nasci com aids e aprendi a viver bem com ela

- Nós não estamos sendo objetivos a respeito de HIV/aids

- Dividir o mundo entre soropositivos e soronegativos é perigoso para sua saúde

Galeria de Fotos Camisinhas com sabores curiosos Veja Fotos