02/12/2014 16:40 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

7 razões para fazer um anúncio nativo agora

Andrew Rich via Getty Images

Que marca não precisa de mais engajamento com seus consumidores? Para isso, como bem sabem Red Bull e Heineken, nada como um bom conteúdo. Melhor ainda quando ele tem a cara de uma plataforma que as pessoas amam, como o Facebook, YouTube ou o Huffington Post.

Explorando diferentes pesquisas, anúncio nacionais e estrangeiros, o Brasil Post em parceria com o Huffington Post Partner Studio preparou uma lista com sete razões para você fazer um anúncio nativo agora.

1. Conteúdo e publicidade em um só lugar… Pode isso?

Pode sim. Transparência em primeiro lugar. É conteúdo, mas também é anúncio e a gente conta isso para o leitor no início da matéria, apresentando o nome do anunciante ou mesmo linkando para a marca parceira - como nesta matéria para a CVC. Em estudo recente, ficou comprovado que a relação de proximidade entre marcas de mídia e anunciantes desperta a confiança do público.

2. Distração? Nada disso! Com anúncio nativo o público é seduzido!

Título charmoso, imagem que desperta a atenção, conteúdo relevante, casado com a marca do anunciante. Diferente de anúncios clássicos, a publicidade nativa não quer interromper o leitor. Trata-se de um convite a mergulhar em uma nova experiência.

De um passeio cinematográfico pela Europa à uma lista de curiosidades sobre Tequila, vide este anúncio do The Huffington Post para a Patrón, o conteúdo é adaptado para cada cliente.

3. Hmmmmmmm… Tem um chame irresistível!

Esqueça aquele bloco de texto imenso, cinza e sonolento. Para atrair o olhar do público, o conteúdo precisa ser acessível, adaptado a cada cliente e consumidor.

A seriedade e coerência do anúncio é visível, mas nada que uma pitada de GIFs, listas, infográficos e outras mídias não reforcem a qualidade do material. Na dúvida, experimente nossa matéria sobre férias e destinos alternativos para crianças.

4. Aponte a direção, mire e… Acerte!

Em uma pesquisa recente, "90% dos entrevistados acreditam que relevância é o que mais chama atenção em um anúncio nativo".

Quer um exemplo? Que tal essa matéria da CVC pensada para aproveitar o clima de Copa do Mundo. Além do conteúdo produzido para a marca, outros temas relacionados são acrescentados durante o processo de divulgação do anúncio, ampliando o alcance do material.

5. Diga-me com quem tu andas...

Esse estudo mostra que ao associar a sua marca com uma empresa de mídia "afeta significativamente os sentimentos dos leitores sobre o conteúdo patrocinado - provocando um aumento de 33% de credibilidade em relação a outros tipos de anúncios".

Um exemplo bem sucedido dessa parceria está no projeto Global Motherhood, a seção sobre maternidade do The Huffington Post em conjunto com a Johnson & Johnson.

6. Na tela do computador ou na telinha do smartphone? Que tal os dois!?

Não tem essa de hotsite e outras ferramentas que vão atrasar ou complicar ainda mais o planejamento do cliente.

Toda a plataforma do Brasil Post já está pronta, com a nossa cara e a gente "empresta" pra dar um trato, trocar as cores e adaptar o visual para que tudo fique ainda mais envolvente para o leitor.

7. Leitor ❤ Anúncio Nativo.

O nosso interesse é facilitar a vida do leitor. Listas, serviços e conteúdos que possam ser reaproveitados. Um exemplo é essa campanha entre o The Huffington Post e o Toyota Prius, com destinos para visitar com pouco combustível.

Precisa de um exemplo do Brasil Post? Que tal nossa matéria com destinos turísticos adaptados para diferentes tipos de crianças.

Veja outros exemplos bem sucedidos de anúncio nativo na seção Partner Studios do The Huffington Post.

Leia mais:

18 coisas que as pessoas criativas fazem diferente

9 hábitos das pessoas mentalmente fortes