NOTÍCIAS
01/12/2014 17:09 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Crianças interagindo com baleias: como aprendi uma lição (VÍDEO)

Shutterstock / Elena Yakusheva

Vivendo e aprendendo. Compartilhei ontem no Facebook o vídeo abaixo, encantado com a experiência de duas crianças interagindo com uma baleia beluga no Mystic Aquarium, em Connecticut (EUA). Muitos amigos também acharam muito fofo:

No meio dos "curtir"e "compartilhar", entretanto, duas amigas com mais vivência nas coisas do mar logo alertaram: essas baleias não estão felizes não! Foi quando descobri matéria do site The Dodo, provando que o vídeo dessa baleia beluga "brincando" com as crianças, na verdade, é bastante triste.

The Dodo ouviu Dr. Lori Marino, especialista em comportamento beluga do Centro Kimmela, para quem o comportamento do animal é "definitivamente agressivo". Fiquei tentado a apagar meu post, que tinha o status "Ah se todas as crianças pudessem ter experiências assim... nosso mundo seria muito diferente!". Mas resisti: hoje o Facebook me ensinou uma lição.

"A boca aberta e postura são típicos da maneira como cetáceos expressam agressão. Vi vários em cativeiro nas mesmas circunstâncias. Este pobre animal está dizendo aos seus filhotes: 'fujam, é uma ameaça' ", disse Dr. Marino.

"Enquanto belugas e outros cetáceos na natureza fazem os mesmos movimentos agressivos (boca aberta, etc.), neste caso, na minha opinião, é claramente devido ao fato de que essas baleias são amontoados nesse tanque e não têm para onde ir para escapar das crianças gritando e cutucando o vidro ".

Desde que prática de apresentar cetáceos em parques e aquários marinhos começou, há mais de 50 anos, a ciência vem aprendendo que eles são seres vivos extremamente inteligentes. Cresce ao mesmo tempo o sentimento de que o confinamento dos cetáceos é uma extrema crueldade. Para muitos ativistas eles devem ser considerados não como animais, mas sim como pessoas não-humanas, merecedores dos direitos mais básicos da liberdade.

Idéia semelhante anima o documentário norte-americano Blackfish, dirigido por Gabriela Cowperthwaite, que mostra o drama da orca Tilikum e os perigos em manter essas espécies em cativeiro