NOTÍCIAS
29/11/2014 09:55 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:53 -02

Mesmo tumultuado, separamos cinco (boas) notícias de 2014 que vão alegrar seu dia

AP Photo

O ano de 2014 foi marcado por crises e tumultos em todo o mundo -- tragédias, guerras e doenças dominaram as manchetes.

Mas, apesar de as más notícias em geral superarem as boas, tivemos assim mesmo mudanças positivas.

Neste ano houve iniciativas de indivíduos e organizações dedicadas a ajudar os outros. Houve transições pacíficas para a democracia em lugares impensáveis até pouco tempo atrás, e mudanças palpáveis que melhoraram a vida de muitas pessoas.

O WorldPost apresenta uma série de acontecimentos globais pelos quais podemos ser gratos.

1. O Congo está livre do ebola

Enquanto os profissionais de saúde e as agências de ajuda tentam conter com urgência o surto de ebola na África ocidental, a muitos quilômetros de distância, o Congo, no centro do continente, travou sua própria batalha contra o vírus.

O surto no Congo, que envolveu um subtipo diferente do vírus que teria se originado na Guiné, ceifou dezenas de vidas desde seu início, em agosto.

Esse surto terminou. Os corajosos esforços das autoridades locais e uma rápida reação levaram a Organização Mundial de Saúde a declarar o Congo oficialmente livre do ebola em 21 de novembro.

Enfermeira Dalila Martinez, treinadora da equipe médica cubana, entra em uma tenda durante um exercício em um campo de treinamento em Havana, Cuba. (AP Photo/Ladyrene Perez, Cubadebate)

2. Esperança de democracia na terra da Primavera Árabe

A Tunísia realizou eleições presidenciais recentemente, que deverão ter um segundo turno para escolher o vencedor final. A eleição presidencial nesse país do norte da África é notável por ser a primeira livre e justa em sua história.

Há mais de três anos, a revolução na Tunísia se espalhou em um levante árabe mais amplo, deixando uma marca indelével em todo o Oriente Médio e o norte da África.

Hoje, as esperanças de maior liberdade democrática nesses países foram quase eliminadas, pois eles voltaram à autocracia, abafaram manifestações ou entraram em guerra. A Tunísia e suas recentes eleições são a exceção, e a esperança de paz e democracia estável continua cautelosamente otimista.

Tunisiana mostra o dedo manchado de tinta depois de votar em uma seção eleitoral em Ben Arous, Tunísia, no domingo, 26 de outubro de 2014. (AP Photo/Aimen Zine)

3. O casamento gay está em ascensão

Um relatório recente do Centro de Pesquisas Pew revelou que "um número crescente de governos de todo o mundo está considerando se concede reconhecimento legal aos casamentos entre o mesmo sexo".

Essa mudança também se reflete nos Estados Unidos, onde 32 estados hoje emitem licenças de casamento para casais homossexuais. A luta por igualdade está ganhando terreno.

Sean Lawrence, da Filadélfia, ergue uma bandeira durante manifestação a favor do casamento gay, no Independence Mall na Filadélfia. (AP Photo/Matt Slocum, Arquivo)

4. A pólio foi erradicada na Índia

A poliomielite, que já foi um flagelo mundial, hoje é endêmica em três países - Afeganistão, Nigéria e Paquistão.

O último país que foi declarado livre da doença foi a Índia, que, como explica a CNN, abrigou quase a metade dos casos mundiais até 2009.

Juntamente com outros cem países, a Índia foi certificada oficialmente livre da pólio pela OMS em março. Isso marca uma vitória dos profissionais de saúde contra os desafios titânicos de desenvolvimento representados pela virulenta doença infecciosa.

Criança indiana usa máscara de campanha de erradicação da poliomielite durante vacinação em Chennai (AP Photo/Arun Sankar K)

5. Uma grande mudança na China

Neste mês, a China adotou uma enorme mudança de política que afeta o mundo todo. Um acordo climático entre os Estados Unidos e a China limita as emissões de carbono asiáticas ao pico que atingir em 2030.

O acordo sinaliza esperança para o futuro das negociações internacionais sobre o clima, em um momento em que a pressão está crescendo para que os países façam esforços palpáveis para enfrentar a mudança climática.

O presidente dos EUA, Barack Obama (à esq.) e o presidente chinês, Xi Jinping, brindam em um banquete no Grande Salão do Povo em Pequim, na quarta-feira, 12 de novembro de 2014. (AP Photo/Greg Baker, Pool)

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.