NOTÍCIAS
28/11/2014 14:30 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:53 -02

Lava Jato: PF apreende lista de 750 obras 'intermediadas' pelo doleiro Alberto Yousseff, diz Carta Capital

JOEDSON ALVES/ESTADÃO CONTEÚDO

Uma lista apreendida pela Polícia Federal (PF) na casa de Alberto Youssef mostra que os negócios do doleiro da Operação Lava Jato não se limitavam à Petrobras. A lista, revelada pela revista Carta Capital, mostra que Youssef, por meio de empresas de fachada, intermediou negociações entre construtoras e empresas públicas e privadas.

Nem todas as 747 obras que aparecem na lista de Youssef foram executadas pelas empreiteiras representadas pelo doleiro e 59% delas tinham a Petrobras como contratante.

Nas 41% restantes aparecem o Metrô de São Paulo e as estatais de saneamento Sabesp, Copasa (MG), Caema (MA), Casal (AL), Cagece (CE), Cedae (RJ), Saneago (GO) e a Saned, de Diadema.

Há também empresas privadas como a Vale, Fiat e empresas do Grupo X, de Eike Batista.

A lista encontrada com Youssef em março trazia o nome da obra, o telefone fixo e o contato de alguém da empresa que contrataria a obra, além de informações detalhadas sobre o projeto.

Na outra ponta, como clientes de Youssef, além das construtoras citadas na Lava Jato aparecem cerca de cem empresas. A Delta Engenharia, o Grupo Shahin, a IHS Engenharia, a Potencial Engenharia e a CR Almeida estão entre as empresas que teriam sido representadas por Youssef nas negociações.

Entre as obras citadas na lista, estão várias projetadas contra a seca no Nordeste, em especial as administradas pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), órgão ligado ao Ministério da Integração Nacional.

A Pasta era administrada até o ano passado pelo senador eleito Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE).

Youssef está no centro das denúncias de corrupção na Petrobras e assinou acordo de delação premiada com a Justiça em que se compromete a falar tudo o que sabe e entregar provas.