NOTÍCIAS
28/11/2014 10:17 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:53 -02

Corpos decapitados são encontrados no México; governo anuncia mudanças na polícia

AP Photo

As autoridades do México encontraram nesta quinta-feira (27) onze corpos com queimaduras, mutilados, muitos deles decapitados, em uma vala perto de uma estrada de terra no Estado de Guerrero, o mesmo onde moravam 43 jovens desaparecidos em setembro, caso que provocou revolta no país.

A perturbadora descoberta ocorreu pouco antes de o presidente Enrique Peña Nieto anunciar mudanças na polícia. Ele pretende unificar as forças de segurança do país, transformando as atuais 1.800 forças municipais em 32 corporações estaduais e do distrito federal.

O presidente também prometeu detalhar um projeto de lei que permita a intervenção em municípios onde haja indícios de infiltração do crime em poderes locais, informou o jornal El Universal. Também será criado um número de telefone único para emergências, o 911. As mudanças devem começar pelos quatro Estados considerados os mais violentos do país: Tamaulipas, Jalisco, Michoacán e Guerrero.

A nova vala foi descoberta no município de Chilapa, a apenas uma hora de distância da Escola Rural de Normalistas de Ayotzinapa, onde estudavam os jovens desaparecidos em setembro. Sobre as vítimas encontradas nesta quinta, a polícia informou que se tratava de homens com idades entre 20 e 25 anos, que não foram identificados. Perto dos corpos foi encontrada uma mensagem dirigida a um grupo do crime organizado. As autoridades não disseram se a descoberta está relacionada ao caso dos normalistas.

Em julho, catorze pessoas foram mortas em Chilapa em confrontos entre gangues rivais. O crime levou a um toque de recolher na localidade de pouco mais de 31 mil habitantes, segundo informou o jornal espanhol El País.

Os casos evidenciam o grave problema representado pela criminalidade no México e a dificuldade que Peña Nieto enfrenta para encontrar uma solução. Uma onda de protestos teve início depois do desaparecimento dos estudantes, cobrando ações do governo contra a impunidade. Familiares das vítimas alimentam a esperança de que os jovens ainda estejam vivos e exigem que as autoridades continuem as buscas.

A expectativa dos parentes não diminuiu nem mesmo depois de a procuradoria-geral do país afirmar, no início deste mês, que os estudantes foram detidos pela polícia de Guerrero, entregues ao crime organizado e assassinados (ainda são considerados desaparecidos porque não houve identificação dos corpos).

A sede do partido governista PRI, em Guerrero, e as portas do palácio presidencial, na Cidade do México, foram incendiadas por manifestantes. Protestos também bloquearam a entrada do aeroporto da turística Acapulco para forçar uma resposta mais rápida das autoridades.