NOTÍCIAS
25/11/2014 14:26 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Black Friday vem aí: Comparação de preços, print screen nas ofertas e outras dicas para uma compra sem arrependimentos

AP Photo

Tradição importada dos Estados Unidos, a Black Friday começou no Brasil em 2010 e vem ganhando força exponencialmente. O evento, conhecido pelos grandes descontos e pela correria em busca das melhores ofertas, acontece na quarta sexta-feira do mês de novembro, após o feriado de Ação de Graças nos EUA.

De acordo com uma projeção da consultoria eletrônica E-bit, as vendas durante a Black Friday no e-commerce brasileiro devem aumentar 56% em relação a 2013, alcançando um faturamento de R$ 1,2 bilhão.

No entanto, assim como o faturamento, devem crescer também as queixas. O Reclame Aqui, no ano passado, recebeu 8.500 reclamações em um período de 24 horas - índice 6,2% superior a 2012. Para este ano, o site estima que o número de denúncias ultrapasse as 10 mil.

Entre os problemas mais enfrentados pelos consumidores que tentam fazer compras pela internet estão as falsas ofertas, a indisponibilidade dos produtos ofertados e a lentidão nos sites.

Para evitar esses problemas, o Brasil Post ouviu especialistas e reuniu uma série de dicas para aproveitar os descontos e evitar ciladas.

Pesquise, pesquise e pesquise

Importante em qualquer compra, a pesquisa na Black Friday é fundamental. Saiba em qual loja você está comprando, verifique a reputação do estabelecimento junto ao Procon e ao Reclame Aqui, veja como a loja se comporta nas redes sociais (elas podem ser importantes na hora de fazer alguma reclamação) e dê uma boa consultada na política de devolução vigente, para evitar futuros problemas.

“Tem que ponderar o preço e qualidade do produto, mas também as referências do fornecedor”, afirma Fátima Lemos, assessora técnica do Procon-SP.

Não é hora de inovar

Por mais tentadora que a oferta seja, tente comprar apenas em lojas conhecidas e de confiança. Segundo Felipe Paniago, diretor de marketing do Reclame Aqui, o número de lojas falsas aumenta muito nesta época do ano.

“Os golpistas aproveitam esse período, de crescimento intenso das vendas, e criam sites que lembram grandes lojas virtuais, com o intuito de enganar o consumidor”, afirma.

Em situações como essa, segundo ele, a Black Friday vira caso de polícia. No entanto, o consumidor geralmente fica no prejuízo.

“Até o consumidor receber o dinheiro de volta, se ele receber, demora muito”, diz Paniago.

Galeria de Fotos Problemas enfrentados pelo consumidor na Black Friday Veja Fotos

Quando a esmola é demais...

Embora o objetivo da Black Friday seja promoções “fora de série”, é importante sempre tomar cuidado.

No caso da compra de um serviço, não adianta: o ideal é ler o contrato inteirinho para evitar “surpresas”. Saiba exatamente durante qual período e sob quais circunstâncias você poderá usufruir daquela massagem relaxante que está com 90% de desconto no site de compras coletivas.

“O consumidor tem que ficar mais atento ainda”, alerta Paniago.

Ou seja, nada de acreditar naquele iPhone novinho com 90% de desconto, ou naquela promoção imperdível - e que pede apenas para você publicar um print no Instagram.

Planeje

Mesmo com boas ofertas, é necessário ter cuidado para não estourar o orçamento. Estabeleça suas prioridades e calcule quanto do seu dinheiro você irá destinar às compras. Não adianta nada aproveitar ofertas “imperdíveis” e terminar o mês no vermelho.

Priorize meios de pagamento seguros

Mesmo que o desconto seja maior com o pagamento no boleto bancário ou por depósito, tente evitar essas modalidades de pagamento. Caso você tenha problemas, a devolução do valor ficará mais complicada.

O ideal, nesses casos, é fazer o pagamento com cartão de crédito ou por meio de sites que garantam a segurança da operação – dessa forma é mais provável que o valor será retornado caso o serviço não seja cumprido corretamente.

Não esqueça do frete!

Esse é outro ponto que merece toda a atenção.

De acordo com Paniago, algumas lojas costumam aumentar o preço da entrega para compensar o desconto dado nos produtos. “No total, acaba não mudando muita coisa”, diz.

Outra coisa importante é ver a quantidade de dias (úteis, geralmente) que o produto vai levar para chegar na sua casa. Não adianta fazer uma compra de olho no Natal, e o prazo para a entrega ser superior a um mês. (Acredite, isso acontece!)

Fique atento à maquiagem de preços

Segundo especialistas, essa é a reclamação mais recorrente durante o período da Black Friday, quando os descontos praticados são “metade do dobro”.

“Algumas lojas pegam produtos procurados durante o ano todo, aumentam o preço alguns dias antes e, quando chega a Black Friday, dão um desconto simbólico de 50% mas que, na verdade, corresponde a 5%”, explica Paniago.

Por isso é importante pesquisar os preços, ter uma noção prévia dos valores, usar ferramentas de comparação e, caso a maquiagem de preço seja confirmada, acionar o Procon.

Print screen, sempre!

Além dos falsos descontos, muitos consumidores se queixam de instabilidade nos servidores e lentidão nos sites das lojas.

Além de uma boa dose de paciência, os especialistas consultados pelo Brasil Post sugerem que o consumidor documente todos os passos da compra, para eventuais reclamações.

“Se você conseguiu colocar o produto no carrinho virtual, isso já dá direito de compra”, explica Paniago.

No entanto, para garantir seus direitos, é importante ter todos os procedimentos registrados – mesmo quando a tela for de “erro” ou “fila”.

“O consumidor deve usar os mecanismos que tem em mãos para provar que tentou comprar”, sugere Fátima, do Procon.