COMPORTAMENTO
22/11/2014 20:58 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Oito alimentos que têm fama de emagrecedores -- mas não são

Thinkstock

De tempos em tempos, as prateleiras de lojas naturais são inundadas por novos produtos com fama de emagrecedores. Alimentos e suplementos ganham popularidade, mas logo caem no ostracismo pela falta de comprovação científica e de resultados. Alguns modismos recentes foram o óleo de coco, a quitosana e a spirulina. A bola da vez é o goji berry — e logo virá outra. "As pessoas buscam uma maneira fácil e rápida de emagrecer. Mas nenhum alimento faz milagre", diz o endocrinologista Bruno Halpern, coordenador do Centro de Controle de Peso do Hospital 9 de Julho, em São Paulo.

Leia mais: Leite, herói ou vilão?

É claro que cortar drasticamente a ingestão de calorias e eleger um alimento como base da alimentação, qualquer que seja ele, levará ao emagrecimento. Perder peso demais em pouco tempo, porém, não é um processo considerado saudável. O organismo se acostuma a funcionar com pouca energia e entra em um estado parecido com a anorexia, em que tende a armazenar gordura. "A consequência é o efeito sanfona. Depois de emagrecer, a pessoa volta a engordar rapidamente", diz Claudia Cozer, endocrinologista e coordenadora do Núcleo de Obesidade e Transtornos Alimentares do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

De acordo com Andrea Bottoni, alguns produtos com fama de emagrecedores podem até fazer bem à saúde, a exemplo da linhaça, que é rica em fibras e melhora o funcionamento do intestino. "Mas eles devem ser encarados como coadjuvantes da dieta, jamais como protagonistas."