NOTÍCIAS
17/11/2014 21:28 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Atual diretor da Petrobras, José Carlos Cosenza é acusado por delatores de receber 'comissões' de empreiteiras contratadas

MARCELLO DIAS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef, principais delatores da Operação Lava Jato, acusaram o atual diretor de Abastecimento da estatal, José Carlos Cosenza, de receber "comissões" de empreiteiras que mantêm contratos com a companhia.

A revelação foi feita hoje (17) pela Polícia Federal ao interrogar executivos presos na última sexta-feira.

"Paulo Roberto e Alberto Youssef mencionaram o pagamento de comissões pelas empreiteiras que mantinham contratos com a Petrobras para si, para os diretores Renato Duque, Nestor Cerveró e Cosenza, e para agentes políticos, confirma?", perguntou o delegado Agnaldo Mendonça ao diretor executivo da Queiroz Galvão, Othon Zanoide de Moraes Filho, um dos presos.

"Desconheço essa informação. Eu nunca tive conversa nenhuma com eles nesse sentido", reagiu o engenheiro, que prestou depoimento na sede da Polícia Federal em Curitiba.

Cosenza era braço direito de Paulo Roberto na Petrobras e o substituiu na área de Abastecimento. Ele participou de evento nesta segunda-feira ao lado da presidente da estatal, Graça Foster.

A defesa do ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró nega que ele tenha recebido propina. Em depoimento à CPMI da Petrobras no Congresso, ele disse desconhecer o esquema de cartel e corrupção na companhia.

Em nota, Cosenza disse negar, "veementemente, as imputações de que tenha recebido 'comissões' de empreiteiras contratadas pela Petrobras, ao tempo em que reafirma que jamais teve contato com Alberto Yousseff."

LEIA MAIS:

- Presidente da Petrobras, Graça Foster, anuncia medidas contra corrupção na estatal e cria diretoria de governança

- Petrobras sabia de propina paga pela empresa holandesa SBM a funcionários da estatal brasileira, revela Graça Foster