NOTÍCIAS
14/11/2014 21:47 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:47 -02

Ao falar sobre investigação envolvendo Petrobras, ex-presidente Fernando Henrique Cardoso diz "ter vergonha do que está acontecendo no Brasil"

WILLIAM VOLCOV/BRAZIL PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

"Como brasileiro, eu tenho vergonha. Tenho vergonha de falar sobre o que está acontecendo no Brasil", disse o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sobre as denúncias de corrupção envolvendo a Petrobras nesta sexta-feira (14) durante discurso em ato com a presença de Aécio Neves, candidato derrotado do PSDB à Presidência, e outros líderes tucanos em São Paulo.

"Não venham dizer que quando fizemos a quebra do monopólio (do petróleo) era para privatizar a empresa. Não. Era para evitar que ela caísse, como caiu, nas garras dos partidos desonestos. E que se transformasse no uso do dinheiro do povo para fins políticos/partidários", afirmou. "Temos de resgatar nossa posição patriótica, nacionalista, mas não de cegos."

Para FHC, "o povo vai pagar o preço de todos esses rombos nos cofres públicos, porque isso vai acabar virando imposto e pressionar a inflação."

Nas críticas ao governo da presidente reeleita Dilma Rousseff (PT), Fernando Henrique disse que basta olhar as fotografias do que são supostamente vitoriosos (do recém-encerrado pleito nacional) para ver "as caras atormentadas porque não sabem o que vão fazer ou como irão construir um ministério."

"Eles (governo Dilma) fazem truques, querem agora derrubar a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), derrubaram os dados sobre miséria, não sabem o que fazer, estão atônitos. E a nossa responsabilidade é combater (este governo) com firmeza, mas sempre com responsabilidade constitucional, pois somos depositários da democracia."

"Nós (PSDB) sabemos governar, não vamos jogar contra o Brasil, mas quero ver essa gente (governar) porque até o ministro da Casa Civil (Aloizio Mercadante) diz que a situação é séria e delicada. Não vamos deixar que eles façam gol contra no Congresso. Vamos para as ruas e não vamos sair delas."

No discurso, o ex-presidente tucano defendeu o seu legado de quando governou o país (1995-2003), destacando que "foi o PSDB quem começou a resgatar a miséria de muitos brasileiros com o Plano Real, que trouxe a estabilidade". "Fizemos mais do que fez a Dilma e vem essa gente dizer que o PSDB não olha para o povo. Chega de mentiras."

"Não somos contra o Brasil, mas contra os desmandos dos que estão governando o País", afirmou o ex-presidente. O discurso foi feito durante uma visita de Aécio a São Paulo para agradecer a grande votação que teve em São Paulo nas últimas eleições presidenciais.

Com informações do Estadão Conteúdo

LEIA MAIS:

- Petrobras 'incorpora marca perversa da corrupção', afirma Aécio Neves

- Com déficit, governo quer abater todo o PAC e as desonerações fiscais da meta fiscal de 2014