NOTÍCIAS
12/11/2014 14:41 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

Após consulta sobre independência, governo espanhol vai processar Catalunha por 'desobediência'

AP Photo

A Espanha vai processar o presidente da Catalunha, Artur Mas, por "desobediência e desonestidade" após ele desafiar um mandado judicial pela não realização de uma votação sobre a separação da região, disseram fontes judiciais nesta quarta-feira (12).

A decisão possivelmente impedirá o político de concorrer nas eleições regionais, mas o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, tem dito que deseja abrir um diálogo nos próximos dias, após dois anos de um ríspida disputa em torno do relacionamento da Catalunha com o governo central da Espanha.

Rajoy disse nesta quarta-feira (12) que estava aberto a um diálogo amplo com a Catalunha, mas mantinha sua oposição a qualquer conversa sobre a realização de um referendo legal sobre a independência da região espanhola.

"Isso não pode ser. O que era ilegal um ano atrás, continua ilegal hoje", disse Rajoy em uma coletiva de imprensa. "Eu acredito fortemente no diálogo para a resolução de problemas políticos. Mas qualquer diálogo deve ser realizado dentro dos limites da Constituição", acrescentou o premiê.

Na terça (11), Mas havia proposto que ele e Rajoy estabelecessem um diálogo permanente sobre a independência da Catalunha e medidas para impulsionar a economia da região, que corresponde a cerca de um quinto da produção espanhola.

Cerca de dois milhões de catalães votaram no domingo a favor da separação da Espanha, em uma votação simbólica realizada depois de um bloqueio imposto pela Justiça a pedido do governo central contra um pleito formal, mesmo que não efetivo.

Embora se mostre irredutível em relação ao referendo legal sobre a independência catalã, Rajoy sugeriu na semana passada que a Espanha deve reformar sua Constituição e dar à comunidade autônoma da Catalunha maior espaço para opinar sobre a cobrança de impostos e gastos públicos.

As fontes judiciais disseram que o processo do governo central contra Mas está em seus retoques finais e deve ser protocolado ainda nesta quarta ou na quinta-feira.