COMPORTAMENTO
10/11/2014 17:42 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

Twitter faz parceria com ONG e entra na luta contra assédio sexual de mulheres na internet

Thinkstock

O propósito inicial - e na teoria - das redes sociais é conectar as pessoas e aproximá-las do compartilhamento de ideias.

Certo?

Mas o problema é que o chamado "chorume" aumenta a cada dia a ponto desta conexão se transformar em algo criminoso - ao exemplo, quando ofensas se transformam em assédio sexual, ameaças e no chamado cyberbullying.

Para conter esse tipo de problema, o Twitter anunciou uma parceria com a ONG americana Women, Action & The Media (WAM!) para tentar controlar o assédio contra as mulheres no microblog.

Mas como será possível?

As denúncias poderão ser feitas por meio de um formulário online, que está disponível na página a WAM!. O usuário pode fazer uma denúncia sobre um caso pessoal ou até relatar o que viu acontecer com outro usuário da rede. Depois disso, as queixas passam por uma triagem e os casos de maior relevância são reportados ao Twitter que tomará as medidas cabíveis. As informações são do WAM!.

De acordo com informações do Polygon, ações como estas, apesar de evidenciarem os culpados e ações irregulares, têm efeito mínimo e a resposta não é imediata. Com a parceria, o Twitter pretende tornar esse processo um pouco mais ágil, levando problemas graves à justiça e impedindo o acesso dos infratores à rede social.

O formulário a ONG está disponível somente em inglês, mas traz questões objetivas, com o número de vezes em que o abuso foi reportado, se a vítima sente que há risco à vida, e de que forma o assédio está acontecendo, além de um espaço para descrições detalhadas - com links e tweets que possam servir de provas.

Parcerias para combater o assédio já

Jaclyn Friedman, diretora executivo dea WAM!, contou, em entrevista ao HuffPost US que a ferramenta tem sido alvo deste tipo de comportamento bem antes do chamado #GamerGate começar. Não sabe o que é? Clique aqui!

"Nós sentimos que, a forma como o Twitter é hoje, não contabiliza o número de mulheres que sofrem assédio todos os dias", disse.

A ONG ainda elogiou a iniciativa do Twitter, afirmando que a empresa dá mais um passo na direção da liberdade de expressão, permitindo igualdade entre todos os usuários.

Para a organização, a parceria é uma medida importante para garantir que todos possam falar livremente sobre o que acreditam sem serem vítimas de abusos, assédios e outros atos de violência virtual.

Um representante do Twitter contou ao HuffPost que esta é só mais uma das parcerias que a empresa pretende fazer para combater os abusos feitos na plataforma - já que não há um método eficaz de controle do que os usuários falam ou deixam de falar na rede social.

Além da iniciativa do Twitter, você também pode denunciar no Facebook. Mas além de mecanismos das próprias redes sociais, existem outras formas de se defender e denunciar caso você seja vítima desses abusos online. O coletivo feminista Think Olga montou, em parceria com a Dra. Gisele Truzzi, advogada especialista em Direito Digital, um f.a.q jurídico de violência na internet, e dá o passo a passo de como agir se você é uma vítima ou se viu alguém sofrendo este tipo de assédio.

LEIA MAIS:

- O feminismo versus o GamerGate

- 25% das mulheres entre 18 e 24 anos já sofreram assédio sexual na internet