NOTÍCIAS
05/11/2014 15:16 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Distrito que estava livre do Ebola em Serra Leoa registra 60 casos em duas semanas

Abbas Dulleh / AP Photo

O Ebola chegou ao último distrito de Serra Leoa que estava livre do vírus. Líderes do distrito de Koinadugu, onde vivem mais de 260 mil pessoas, pediram ajuda à Cruz Vermelha para conter o surto, que já afetou quase 60 pessoas.

O local, que até então não havia sido afetado pelo vírus, registrou uma série casos relacionados à doença após duas mortes causadas pelo Ebola, em meados de outubro.

Segundo o Guardian, o chefe da equipe da Cruz Vermelha em Serra Leoa afirmou que pelo menos 25 pessoas morreram e 38 foram infectadas.

Koinadugu orgulhava-se de ser o único distrito em Serra Leoa livre do Ebola, após várias medidas terem sido impostas para conter o surto.

O governo local propôs uma quarentena – que durou quatro meses - e criou um sistema de vans e caminhões para ajudar a população a fazer o comércio sem que houvesse a necessidade de contato com povoados vizinhos.

A Cruz Vermelha afirma que as práticas funerárias tradicionais e o tratamento dos doentes em casa pode ter ajudado para a rápida propagação do vírus.

Cerca de 70% das infecções pelo Ebola são causadas pelos enterros tradicionais, quando cadáveres altamente contagiosos são lavados por amigos e familiares.

Um porta-voz da Cruz Vermelha afirmou que duas equipes de sepultamento foram enviada ao local para ajudar os voluntários locais do distrito, que é de difícil acesso.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, 5.338 casos de Ebola foram registrados em Serra Leoa, e 1.510 pessoas morreram. No total, o surto já matou 4.951 pessoas e foram registrados 13.567 casos em oito países.

O surto também sobrecarregou o sistema de saúde do país. Segundo estimativas da OMS, há 326 leitos disponíveis em Serra Leoa, e a estimativa é de que 4.800 sejam necessários até o final do mês.