NOTÍCIAS
03/11/2014 20:41 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Indicado por Renan Calheiros, presidente da Transpetro pede licença após depoimentos de Paulo Roberto Costa

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente da Transpetro, subsidiária de logística da Petrobras, Sergio Machado, pediu licença sem vencimentos pelos próximos 31 dias, para que sejam esclarecidas

Marcos de Paula/Estadão Conteúdo

O presidente da Transpetro, subsidiária de logística da Petrobras, Sergio Machado, pediu licença sem vencimentos pelos próximos 31 dias, para que sejam esclarecidas denúncias de corrupção feitas pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa, que ameaçam atrasar a divulgação dos resultados do terceiro trimestre da companhia.

O executivo afirmou em nota nesta segunda-feira (3) que não teme investigações sobre sua atuação, mas que quer evitar eventuais atrasos na divulgação do balanço financeiro do terceiro trimestre da Petrobras. "A acusação é francamente leviana e absurda, mas mesmo assim serviu para que a auditoria externa PwC (PriceWaterhouseCoopers) apresentasse questionamento perante o Comitê de Auditoria do Conselho de Administração da Petrobras", disse o presidente.

Matéria publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo, no último sábado, afirmou que a PriceWaterhouseCoopers (PwC), auditora dos resultados financeiros da Petrobras, recusou-se a aprovar o balanço do terceiro trimestre da petroleira. Teria sido esse o motivo para que uma reunião do conselho de administração da Petrobras, na última sexta-feira, fosse interrompida, após horas de discussão, sem que nenhum item da pauta tivesse sido aprovado.

O Conselho de Administração da Petrobras deverá voltar a se reunir na terça-feira (4), podendo discutir eventualmente um reajuste nos preços dos combustíveis. Ainda não há uma data para a divulgação do balanço da Petrobras do terceiro trimestre, que deve ser feita pelas regras locais até 45 dias após o final do período.

"Apesar de toda uma vida honrada, tenho sido vítima nas últimas semanas de imputações caluniosas feitas pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, cujo teor ainda não foi objeto sequer de apuração pelos órgãos públicos competentes", frisou Machado.

Costa foi preso pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal, e está cumprindo prisão domiciliar depois que concordou em fazer uma delação premiada.

Machado, que preside a Transpetro desde junho de 2003 por indicação do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-RN), destacou ainda que as contas da subsidiária e a execução de seus principais programas são periodicamente auditados pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que jamais encontrou irregularidades nos contratos.

Além disso, ele destacou que o TCU expediu, em 30 de outubro, certidão negativa atestando não haver nenhuma pendência em seu nome reativamente a contas julgadas até o momento. "A empresa também é objeto da análise permanente de auditorias independentes, entre elas a KPMG e a PricewaterhouseCoopers (PwC)", disse Machado.

A Petrobras informou em nota ao mercado que o Conselho de Administração da Transpetro aprovou a solicitação de Machado e designou para substituí-lo, no período, o diretor Claudio Ribeiro Teixeira Campos.

LEIA TAMBÉM

- Ex-diretor diz que pagou R$ 20 mi a caixa 2 de Campos

- Doleiro Alberto Yousseff recebe alta hospitalar e volta à carceragem da Polícia Federal em Curitiba

- Governo prepara reajuste da gasolina para acalmar mercado e estacar queda das ações da Petrobras