MULHERES
03/11/2014 10:16 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Brittany Maynard, americana que sofria de câncer no cérebro, comete suicídio assistido

Reprodução/Youtube.com

A americana Brittany Maynard, 29, que sofria de câncer terminal, manteve a data para seu suicídio assistido.

Ela morreu neste sábado (1º), em sua casa em Portland (Oregon), após tomar medicamentos que fizeram seu corpo parar de funcionar.

No Facebook, ela postou uma mensagem de despedida.

“Adeus a todos os meus queridos amigos e parentes que amo. Hoje é o dia que escolhi partir com dignidade diante de minha doença terminal, este terrível câncer cerebral que tirou tanto de mim ... mas que poderia ter tomado muito mais. Tenho um círculo de apoio ao redor da minha cama enquanto escrevo ... Adeus mundo. Espalhem boa energia. Vale a pena!".

A história de Brittany chamou a atenção quando ela divulgou um vídeo por meio do grupo pró-eutanásia Compassion & Choices, afirmando que sua doença era grave e que havia marcado a data de 1º de novembro para morrer. Moradora da Califórinia, Brittany mudou-se para o Oregon, um dos estados americanos que permitem a eutanásia.

Na última quinta-feira (30), Brittany havia divulgado um vídeo em que afirmava estar bem e que acha que talvez não fosse a hora de partir. “Ainda tenho muita alegria. Ainda dou risadas com minha família e meus amigos”, afirmou Brittany em um vídeo.

Em janeiro deste ano, Britanny começou a sentir fortes dores de cabeça há cerca de um ano. Os médicos a diagnosticaram com gliobastoma, uma forma de turmor cerebral que cresce de forma acelerada e não tem cura.

Com os resultados dos primeiros exames, foram dados poucos anos de vida para a psicóloga; nos seguintes, o câncer se mostrou ainda mais espalhado, reduzindo a expectativa de vida para apenas alguns meses.