NOTÍCIAS
30/10/2014 12:07 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Fifa lança campanha contra manipulação de resultados

Arnd Wiegmann/ Reuters

Em parceria com o FIFPro, o sindicato dos jogadores, e a Interpol, a Fifa lançou nesta quinta-feira (30) uma campanha para combater a manipulação de resultados no futebol. O objetivo é fazer um alerta aos jogadores para evitar o assédio de interessados - geralmente apostadores - em tentar combinar placares das partidas.

"A meta da campanha é alertar sobre os perigos da manipulação, fornecer exemplos positivos aos jogadores e educá-los - assim como outros membros da família do futebol - para reconhecer, resistir e denunciar tentativas de manipulação", explicou a Fifa, em nota, após lançar a campanha durante o Congresso da FIFpro, realizado em Tóquio.

Para espalhar esta mensagem, a campanha foi iniciada com o lançamento de um DVD contendo um vídeo de 15 minutos para esclarecer os jogadores. Nele a Fifa apresenta as ameaças que a manipulação de resultados representam ao esporte, contando com testemunho de dois jogadores assediados por interessados em alterar o placar de partidas - um deles foi punido por envolvimento em caso já julgado.

Também fazem parte do vídeo atletas famosos como Frank Lampard, do Manchester City e da seleção inglesa, Sone Aluko, do Hull City e da seleção nigeriana, e Kolo Touré, do Liverpool e da seleção da Costa do Marfim.

"Hoje marcamos o início dessa abordagem coordenada entre três organizações globais na luta contra a manipulação de resultados", declarou o secretário-geral da FIFpro, Theo van Seggelen. "Estamos satisfeitos em juntar forças com a FIFpro e a Interpol para revelar esta importante iniciativa", disse o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke.

"Este DVD traz uma mensagem clara aos jogadores: precisamos de você e apoiamos você. Apelamos a todos os envolvidos no futebol para contribuir com esta iniciativa de promover a transparência e a integridade através da fiscalização e do senso de responsabilidade, para ajudarmos a proteger o futebol", afirmou o dirigente.