NOTÍCIAS
29/10/2014 22:24 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Retaliação: Paulo Maluf é destituído da presidência do PP em São Paulo por traição ao PT nas eleições estaduais

Montagem/Estadão Conteúdo

O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) foi punido pelo próprio partido por "traição" durante a campanha eleitoral de São Paulo.

A direção nacional do PP decidiu destituí-lo da presidência estadual porque Maluf apoiou o candidato Paulo Skaf (PMDB) na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes.

Como integra a coligação da presidente Dilma Rousseff (PT), o PP havia se comprometido a defender a candidatura do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT).

Porém, Maluf desembarcou da candidatura de Padilha, que acabou apenas em terceiro lugar na disputa estadual, atrás de Skaf e do governador reeleito, Geraldo Alckmin (PSDB).

Além do esvaziamento de poder na legenda, Maluf amarga uma fase ruim na política nacional. Após dois mandatos seguidos na Câmara dos Deputados, ele deverá ficar de fora da legislatura que se inicia em 2015.

A candidatura dele foi impugnada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por causa da Lei da Ficha Limpa. Entretanto, ele teve mais de 200 mil votos.

Maluf entrou com recurso na Justiça Eleitoral e aguarda uma resposta.

LEIA MAIS:

- Sou a ficha mais limpa de SP, diz Maluf a amigos

- Maluf diz que crise da água não vai afetar a mansão dele nos Jardins: 'sou engenheiro'