NOTÍCIAS
29/10/2014 15:42 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Doleiro Alberto Youssef recebe alta hospitalar e volta à carceragem da Polícia Federal em Curitiba

JOEDSON ALVES/ESTADÃO CONTEÚDO

O doleiro Alberto Youssef, no centro das denúncias de fraude na Petrobras, recebeu alta na manhã desta quarta-feira, 29, segundo boletim médico divulgado pelo Hospital Santa Cruz, de Curitiba, onde estava internado desde sábado, véspera da eleição presidencial.

O principal alvo da Operação Lava Jato, preso há nove meses, sofreu uma queda brusca de pressão e foi hospitalizado com sinais de desidratação e emagrecimento.

Youssef está preso na carceragem da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, para onde volta ainda na manhã desta quarta. Ele é acusado de liderar um esquema de lavagem de dinheiro de cerca de R$ 10 bilhões.

No domingo (26), dia da eleição, a Polícia Federal desmentiu boatos de que o doleiro havia morrido. Youssef passou mal no sábado, um dia após a revista Veja publicar que ele teria afirmado à Justiça Federal que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff sabiam do suposto esquema de corrupção na Petrobras.

Segundo a publicação, ele não apresentou provas durante o depoimento, que faria parte do acordo de delação premiada firmado entre o doleiro e a Justiça. Para que receba benefícios previsto no acordo, como a redução de sua pena, Youssef terá que apresentar provas de suas denúncias. Ele deverá prestar novos depoimentos nas próximas semanas.

O boletim médico é assinado pelo cardiologista Rubebs Zenobio Darwich. Esta foi a terceira vez que Youssef precisou de atendimento médico de urgência após sua prisão. No domingo ele recebeu a visita das filhas e, segundo elas, estava 16 quilos mais magro. O doleiro teve seu quarto escoltado por dois policiais federais.

PF abre inquérito para apurar vazamento de depoimento

Segundo o jornal O Globo, a Polícia Federal abriu inquérito para investigar as circunstâncias do vazamento de trechos de um depoimento em que o doleiro Alberto Youssef cita a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula.

De acordo com o jornal, investigadores da Operação Lava-Jato suspeitam que Youssef foi estimulado a fazer declarações sobre Dilma e Lula, numa manobra que teria, como objetivo, influenciar o resultado das eleições presidenciais.

Na terça-feira passada, Youssef prestou depoimento, como vinha fazendo desde o início da delação premiada, e no dia seguinte, um de seus advogados pediu para fazer uma retificação no depoimento. No interrogatório, perguntou quem mais, além das pessoas já citadas pelo doleiro, sabia das fraude na Petrobras.

Youssef disse, então, acreditar que, pela dimensão do caso, não teria como Lula e Dilma não saberem. No dia seguinte, a Veja publicou a informação de que o doleiro teria dito que Dilma e Lula sabiam das fraudes na Petrobras.