NOTÍCIAS
28/10/2014 22:28 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Reeleita, Dilma Rousseff defende a criminalização da homofobia: 'Uma medida civilizatória contra a barbárie'

Montagem/Estadão Conteúdo/Thinkstock

Um dos temas polêmicos da campanha eleitoral ainda no primeiro turno, o combate à homofobia vai ganhar destaque no segundo mandato da presidente reeleita, Dilma Rousseff (PT).

Em entrevista ao SBT, na noite desta terça-feira (28), a petista afirmou que criminalizar a violência contra gays é "uma medida civilizatória".

"Temos que combater a violência, de forma aberta ou escondida", argumentou. "Tem que ser contra a homofobia, que é, de fato, uma barbárie."

Questionada pelo jornalista Kennedy Alencar, Dilma disse apoiar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de reconhecer a união estável de pessoas do mesmo sexo e a resolução do Conselho Nacional de Justiça de permitir a conversão das uniões em casamento civil.

"Agora, sobre casamento religioso, cada igreja que resolva como quer fazer", completou.

Homofobia ganhou os holofotes da campanha

A violência por causa da orientação sexual ou da identidade de gênero presumida foi tema da campanha presidencial em dois momentos diferentes.

Primeiro, quando a candidata Marina Silva (PSB) fez a revisão da política LGBT de seu programa de governo. No documento original distribuído, havia o compromisso com a criminalização da homofobia.

Em setembro, Dilma se aproveitou do recuo da ex-ministra para tratar desse tema na campanha.

Posteriormente, o debate da Record revelou a homofobia do candidato Levy Fidelix (PRTB). Em resposta a uma questão de Luciana Genro (PSOL), o candidato nanico fez um discurso de ódio.

"Então, gente, vamos ter coragem, nós somos maioria. Vamos enfrentar essa minoria. Vamos enfrentar, não ter medo dizer que sou o pai, mamãe, vovô. E o mais importante é que esses que têm esses problemas realmente sejam atendidos no plano psicológico e afetivo, mas bem longe da gente. Bem longe mesmo que aqui não dá."

No debate da TV Globo, tanto Genro quanto Eduardo Jorge (PV) exigiram o pedido de perdão de Levy.

Foi a primeira vez que a homofobia e o combate a ela receberam os holofotes em um debate presidencial.

LEIA MAIS:

- Reeleição de Dilma e as pautas LGBT

- Presidenciáveis querem a criminalização da homofobia, mas é a votação do Código Penal que deve ter a palavra final

Galeria de Fotos Casos de Homofobia no Brasil em 2014 Veja Fotos