NOTÍCIAS
28/10/2014 19:52 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Após 11 meses na cadeia, José Dirceu consegue progressão para regime aberto e vai cumprir pena do mensalão em casa

Montagem/Estadão Conteúdo

Condenado por corrupção ativa, um dos nomes políticos por trás do esquema do mensalão petista está respirando mais aliviado. Onze meses depois de ser preso, o ex-ministro José Dirceu vai poder cumprir em casa o restante da pena de sete anos e 11 meses em regime semiaberto.

O Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou nesta terça-feira (28) o pedido da defesa de Dirceu de progressão para o regime aberto. A decisão é do ministro Luís Roberto Barroso.

Aclamado como herói nacional por parte da militância petista, mesmo após a prisão, o ex-todo-poderoso do governo Lula foi beneficiado pelo bom comportamento na cadeia.

Como vem fazendo cursos no Centro de Progressão Penitenciária de Brasília e trabalha fora da prisão, ele teve 142 dias descontados da pena.

Assim, mesmo sem cumprir um sexto de pena, ele alcançou no dia 20 de outubro o prazo para progredir de regime.

Dirceu trabalha atualmente como assistente de biblioteca em um escritório de advocacia de Brasília. Ele recebe R$ 2,1 mil por mês.

O mensalão foi a compra de apoio parlamentar nos primeiros anos do governo Lula. Segundo a Ação Penal (AP) 470, relatada pelo ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, Dirceu, então ministro-chefe da Casa Civil de Lula, era o mentor político do esquema que visava ao pagamento de propina a deputados para votar projetos de interesse do governo.

LEIA MAIS:

- Más condições das prisões no Brasil e saúde debilitada fazem Itália negar extradição de Pizzolato, condenado pelo mensalão

- 'O julgamento da ação penal 470 foi um divisor de águas na Justiça brasileira'

Ele chegou a ser condenado também por formação de quadrilha em outubro de 2012. Entretanto, a condenação foi revista no começo deste ano pela nova composição do Supremo.

Assim, Dirceu conseguiu escapar do regime fechado de prisão.