NOTÍCIAS
23/10/2014 19:10 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Após uso do nazismo por Aécio e Lula, militantes de PSDB e PT brigam no centro de São Paulo

JONNY UEDA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Ninguém tem dúvidas de que está rolando um verdadeiro “vale-tudo” eleitoral neste segundo turno presidencial, sem mocinhos ou bandidos. Uma nova prova disso foi dada por militantes de PT e PSDB na tarde desta quinta-feira (23), nas ruas do centro de São Paulo.

A confusão aconteceu em frente ao Teatro Municipal, próximo à sede da Prefeitura da capital paulista. Segundo a Guarda Civil Metropolitana (GCM), o incidente ocorreu por volta das 14h e foi rapidamente resolvido graças à atuação dos agentes que estavam no local.

Em frente ao Teatro há uma base móvel da GCM onde ficam quatro agentes vigiando o local, que vem sendo utilizado diariamente por cabos eleitorais das campanhas. A equipe não precisou de reforços para separar a briga, que não teve nenhum detido ou ferido.

A GCM não soube informar quantos se envolveram no confronto e negou que vá providenciar algum reforço de policiamento no local. A Polícia Militar informou que ninguém foi preso.

Segundo reportagem do G1, o secretário de comunicação do diretório municipal do PT, João Bravim, disse que o partido lamenta o ocorrido e recomenda à militância que não aceite provocações.

De acordo com imagens feitas pela Agência Estado, um militante do PSDB chamado Silvio Marques tentou fazer campanha entre os petistas. O ato dos petistas reunia 40 pessoas, que se depararam com 200 tucanos.

O acirramento dos ânimos é só parte dos discursos recentes encampados por figuras majoritárias das duas candidaturas. Em um dos pontos mais baixos da campanha, tucanos e petistas usaram o nazismo conta os rivais. Em uma semana foi Aécio Neves, enquanto a mais recente partiu do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lamentável.

(Com Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM

- Dilma Rousseff cresce e tem 54% dos votos válidos contra 46% de Aécio Neves, segundo nova pesquisa Ibope

- Com maior aprovação desde os protestos de 2013, Dilma Rousseff aparece seis pontos a frente de Aécio Neves, aponta Datafolha