NOTÍCIAS
23/10/2014 18:52 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Após artilharia pesada contra Aécio, Lula retoma bandeira 'paz e amor' e pede para eleitores cessarem os ataques

Montagem/Estadão Conteúdo/Thinkstock

O ex-presidente Lula propôs aos militantes, nesta quinta-feira (23), o fim de ataques da campanha do PT a Aécio Neves (PSDB).

Após investir em artilharia pesada contra o tucano nas últimas semanas, o ex-presidente pediu aos eleitores que deixem os ataques de lado, segundo o site da Folha de S. Paulo. A declaração foi dada em São Gonçalo, no Rio de Janeiro.

"Não adianta fazer ou aceitar provocação. Saiam às ruas e conversem sobre o governo da presidente Dilma.

Eles [tucanos] podem ter muito dinheiro, mas nós temos a razão"

O petista explorou o caráter pessoal nos ataques a Aécio. Chamou-o de "filhinho de papai" e "grosseiro".Sugeriu que ele não é "um homem sério e de respeito" e é machista, por ter chamado a presidente Dilma Rousseff (PT) de "leviana" em dois debates na TV.

O ápice das acusações foi o comício de Belo Horizonte, no dia 18 deste mês, quando Lula comparava Aécio a Collor, seu adversário de 1989 e atualmente aliado dele e de Dilma.

Nesse dia, o locutor do comício e a militância acusaram Aécio de "agressor de mulheres" e tacharam-no de "cafajeste" e "usuário de drogas".

No dia 15, Aécio engrossou com Dilma durante o debate da Band, ao rebater acusação sobre a construção do aeroporto de Cláudio (MG).

"A senhora está sendo leviana", replicou o tucano. "O Ministério Público Federal atestou a regularidade dessa obra", justificou.

A troca de acusações continuou no debate do SBT, mas deu uma trégua no confronto na Record, do último domingo.

LEIA MAIS:

- Basta, Lula! Não se invoca o Holocausto em vão

- Na TV, Dilma faz coro a Lula: 'Ideias novas ele [Aécio] não tem nenhuma'