NOTÍCIAS
17/10/2014 20:05 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Adolescente inventa aparelho engenhoso para garantir a segurança de seu avô e de outros pacientes de Alzheimer

Este adolescente brilhante se inspirou em suas experiências com a doença de seu avô para criar algo que pode mudar a vida de milhões.

Kenneth Shinozuka, um jovem de 15 de Nova York, viu com seus próprios olhos os desafios enfrentados por quem tem de cuidar de alguém que sofra do mal de Alzheimer, relata a Scientific American.

“Acho que nunca vou esquecer meu choque a ver meu avô de pijama acompanhado do policial que o encontrou perambulando por uma estrada próxima no meio da noite”, disse Kenneth, segundo a revista.

Determinado a aliviar o estresse de sua tia, e de tantas outras pessoas que cuidam de vítimas da doença, o aluno do 11º ano inventou um sensor que fica preso no pé ou na meia do doente. Quando o paciente dá um passo e começa a caminhar, o responsável recebe um aviso num aplicativo em seu smartphone, segundo esse perfil da Google Science Fair 2014. O trabalho de Kenneth recebeu o prêmio Ciência em Ação, da Scientific American.

Leia também: Vegetarianos são mais inteligentes que carnívoros, diz pesquisa

“Espero que o meu aparelho chegue aos milhões de pacientes que sofrem da doença e saem andando por aí, e também alivie o fardo de quem tem a tarefa de cuidar deles”, disse o adolescente à NBC News.

Antes de apresentar sua criação na Science Fair, Kenneth testou sua invenção durante seis meses em seu avô. Os sensores detectaram 437 ocasiões em que seu avô saiu andando. O aparelho estava certo todas as vezes e não apresentou nem um alarme falso sequer, afirma seu perfil da Science Fair.

O jovem agora quer compartilhar seu sucesso inicial com outros cuidadores. Ele vai doar centenas de unidades para casas de repouso.

A invenção é um grande passo para quem sofre de Alzheimer, mas o estudante tem planos ainda maiores.

“Gostaria de resolver alguns mistérios do cérebro e inventar ferramentas para, no fim das contas, espero, curar o Alzheimer e outras doenças mentais que atingem a população idosa”, disse ele à NBC News.