NOTÍCIAS
16/10/2014 21:11 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra recebeu propina no caso Petrobras, acusa Paulo Roberto Costa em delação premiada

Montagem/Estadão Conteúdo

Em delação premiada, Paulo Roberto Costa, o homem-bomba da Petrobras, apontou data e valores que teriam sido entregues ao ex-senador Sérgio Guerra (PE), ex-presidente do PSDB, para 'travar' CPI da Petrobras.

A informação foi dada pelo ex-diretor de Abastecimento da estatal, em um de seus depoimentos no âmbito da delação premiada que fez perante força tarefa do Ministério Público Federal.

Guerra fez parte da Comissão Parlamentar de Inquérito. Ele morreu em março de 2014. Paulo Roberto revelou data e valores que teriam sido repassados ao então senador.

Costa disse que entregou propina para Guerra a pedido de empreiteiras que tinham interesse em neutralizar a CPI.

A delação de Costa está nas mãos do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal.

Em seus relatos, o ex-diretor da estatal petrolífera citou pelo menos 32 parlamentares que teriam sido beneficiados pelo esquema de corrupção que se instalou na Petrobras.