NOTÍCIAS
19/09/2014 18:38 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Pnad 2013: IBGE diz que pesquisa 'contém erros extremamente graves'

WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO

O jornal O Estado de S.Paulo e o portal G1 acabam de publicar nota sobre 'erros extremamente graves' nos resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) referente ao ano de 2013 divulgados ontem (18).

De acordo com o texto d'O Estado de S.Paulo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou hoje que o índice de Gini, que mede a concentração de renda, caiu de 2012 para 2013. O Gini medido pela renda do trabalho recuou de 0,496 para 0,495. Já o Gini que considera todas as rendas caiu de 0,505 de 0,501. Ou seja, houve desconcentração de renda em 2013, ao contrário dos dados divulgados previamente.

Outra correção é nas informações do rendimento mensal do trabalho, que teve redução de R$ 1.681 para R$ 1.651.

o G1 aponta a falha nos números relativos ao analfabetismo: o índice caiu de 8,7% em 2012 para 8,5% em 2013 — e não 8,3%, como informado ontem.

Tais alterações ocorreram em sete Estados, de acordo com o IBGE: Ceará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.

Explicação do IBGE

O IBGE soltou nota para justificar os erros. O texto afirma:

"No processo de expansão da amostra da Pnad 2013, foi utilizada, equivocadamente, a projeção de população referente a todas as áreas metropolitanas em vez da projeção de população da Região Metropolitana na qual está inserida a capital."

O instituto também afirma que "ao constatar esse erro o IBGE tomou imediatamente as seguintes providências: recalculou os novos fatores de expansão; as estimativas de indicadores; e refez o plano tabular, com suas respectivas precisões".

O diretor de Pesquisas do IBGE, Roberto Olinto, disse que não houve interferência política. "Não há o menor indício de pressão. Nós encaramos o fato como um acidente estritamente técnico e que será investigado. O processo do trabalho será investigado. O IBGE está extremamente abalado por isso, mas identificado o erro, ele é assumido", afirmou.

"A pesquisa continha erros extremamente graves. Nos cabe pedir desculpas a toda sociedade brasileira", disse a presidente do instituto, Wasmália Bivar.