NOTÍCIAS
18/09/2014 15:05 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Pnad: Porcentual de crianças de 4 a 5 anos na escola chega a 81,2% em 2013

Felipe Oliveira/Getty Images

O número de crianças entre 4 anos e 5 anos na escola chegou a 81,2%, o que significa crescimento de 3,1 pontos percentuais em relação a 2012 (78,1%). Já a taxa na faixa etária de 6 a 14 anos na escola, que corresponde ao ensino fundamental, chegou a 98,4%.

De acordo com a coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Vieira, o aumento no número de crianças na escola pode estar relacionado ao fato de que mais mulheres estão entrando para o mercado de trabalho. “As crianças precisam ir mais cedo para as escolas e creches, e esse percentual cresce especialmente na Região Nordeste”, explicou. No Nordeste, a taxa nos primeiros anos escolares alcançou 86,9%, e junto com os 84,9% na Região Sudeste influenciaram a alta da média nacional. No Norte, o percentual era 67,9%; no Sul, 72,9%; e no Centro-Oeste, 72,1%.

Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (Pnad) de 2013, divulgada hoje (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a pesquisa, a taxa total de analfabetismo no Brasil caiu de 8,7% para 8,3% de 2012 para 2013. Em 2012, esta taxa havia subido, o que preocupou os especialistas, mas voltou a cair.

Apesar do avanço, 13 milhões de brasileiros com mais de 15 anos ainda não sabem ler ou escrever. Mais da metade dos analfabetos do país (53,6%) estão no Nordeste, onde 16,6% da população não saber ler e escrever. Em 2012, 17,4% dos nordestinos eram analfabetos. A região Sudeste concentra 24,2% dos analfabetos em 2013.

Quanto maior a faixa etária, mais analfabetos

A taxa de analfabetismo entre as pessoas com menos de 30 anos é de menos de 3%. O problema se agrava na faixa etária entre 40 e 59 anos, em que a taxa é de 9,2%; e a partir dos 60 anos, quando o analfabetismo alcança 23,9% dos brasileiros. Mulheres eram a maioria dos analfabetos em 2013 (50,6%).

O nível de instrução do brasileiro melhorou como um todo. O número de pessoas que tinham Ensino Fundamental incompleto caiu de 33,5% para 31,2%. Com Ensino Médio incompleto passou de 4% para 3,9%. O porcentual daqueles que terminaram esses ciclos de ensino subiu de 9,8% para 10% (fundamental) e de 25,2% para 25,9% (médio). A proporção de brasileiros que terminaram o ensino superior passou de 12% para 12,9%.

A Pnad é feita anualmente e revela dados sobre população, migração, educação, trabalho, rendimento e domicílios. Os resultados de 2001 a 2012 foram ponderados com base na última projeção da população.

Com informações da Agência Brasil e Estadão Conteúdo.