NOTÍCIAS
18/09/2014 15:36 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Estado Islâmico obriga jornalista britânico John Cantlie a falar 'verdade' sobre o grupo (VÍDEO)

O Estado Islâmico, grupo fundamentalista que atua na Síria e no Iraque, lançou nesta quinta-feira (18) um novo vídeo no qual um refém britânico promete contar “a verdade por trás do Estado Islâmico”.

O refém que aparece no vídeo – intitulado “Empreste-me seus ouvidos” - é o jornalista britânico John Cantlie, sequestrado na Síria em novembro de 2012.

“Agora, quase dois anos depois, muitas coisas mudaram”, diz Cantlie, que descreve a expansão territorial do autodeclarado califado pela Síria e pelo Iraque. "Uma extensão de terra maior do que o Reino Unido e muitas outras nações", diz.

Ele também critica os governos do Reino Unido e dos EUA, que não negociam a libertação de reféns com o grupo. Outras nações europeias libertaram reféns após o pagamento de quantias milionárias ao Estado Islâmico.

“Eu fui abandonado pelo meu governo, e meu destino agora está nas mãos do Estado Islâmico, eu não tenho nada a perder”.

Segundo o jornalista, o vídeo é o primeiro de uma série que será divulgada com a "verdade sobre o Estado Islâmico"

O Estado Islâmico já publicou a decapitação de três reféns nos últimos dois meses: o primeiro foi James Foley, jornalista americano. Duas semanas depois, outro jornalista dos EUA, Steven Sotloff, foi morto. O último refém a ser decapitado pelo grupo foi o britânico David Haines.

Em todos os vídeos, as vítimas aparecem em um deserto, usando roupas alaranjadas – similares às usadas pelos prisioneiros em Guantánamo – e fazem discursos culpando os líderes dos países por suas mortes.

Segundo o New York Times, Cantlie foi sequestrado na Síria em julho de 2012, e libertado poucas semanas depois.

LEIA MAIS:

- ONU pede que potências respeitem regras da guerra contra Estado Islâmico

- Estado Islâmico fatura mais de US$ 3 mi por dia. De onde vem esse dinheiro?