NOTÍCIAS
17/09/2014 17:11 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Atleta de futebol americano indiciado por bater em filho perde patrocínio da Nike

AP

Um atleta norte-americano deu umas chicotadas no filho de quatro anos e se deu muito mal por causa disso: ficou com o emprego na corda bamba, pode ser preso e ainda perdeu a “boquinha” do patrocinador, que suspendeu o contrato que tinha com ele nesta quarta-feira (17).

O atleta em questão é o norte-americano Adrian Peterson, que atua na NFL, liga profissional de futebol americano; o emprego que ele pode perder é o de running back do Minessota Vikings; a ameaça de prisão vem de Montgomery County, no Texas, onde foi indiciado na última semana pelo crime de lesão imprudente ou negligente; e, finalmente, a “boquinha” que perdeu foi da Nike.

"A Nike não tolera abuso de crianças ou violência doméstica de qualquer tipo e tem compartilhado as nossas preocupações com a NFL. Nós suspendemos o nosso contrato com o Adrian Peterson", disse KeJuan Wilkins, assessor da fornecedora de material esportivo, em entrevista para a ESPN americana.

O incidente se deu após outro caso de agressão envolvendo um atleta da NFL ser registrado recentemente: foi divulgado, na última semana, um vídeo do running back Ray Rice, do Baltimore Ravens, agredindo sua noiva, Janay Palmer, dentro de um elevador de um cassino em Atlantic City.

Antes, outros casos de violência doméstica recente envolveram nomes como, Greg Hardy, do Caroline Panthers, e Ray Mcdonald, do San Francisco 49ers.

Tais incidentes e as punições brandas impostas pela liga geraram críticas dos patrocinadores. Nesta terça-feira (16), a Budweiser emitiu um comunicado onde afirmava o seguinte: “Estamos desapontados e cada vez mais preocupados com os recentes incidentes que têm ofuscado esta temporada da NFL. Nós não estamos satisfeitos com a forma que a liga vem tratando isto, com condutas que claramente vão de encontro com a nossa cultura como empresa e nosso valor ético. Nós já discutimos nossas preocupações e expectativas com a liga".