NOTÍCIAS
15/09/2014 17:51 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Político mexicano pede desculpas a Ronaldinho após ofensas racistas

Anadolu Agency via Getty Images
QUERETARO, MEXICO - SEPTEMBER 12: Ronaldinho greets the fans during the football match between Gallos Blancos of Queretaro against Puebla FC of the Liga Bancomer MX at the Corregidora Stadium, in Queretaro, Mexico, on September 12, 2014. (Photo by Manuel Velasquez/Anadolu Agency/Getty Images)

A grande repercussão negativa no México fez o político Carlos Manuel Treviño Núñez voltar às redes sociais para se desculpar pelo ato de racismo cometido contra Ronaldinho Gaúcho, chamado por ele de ‘macaco’. Com o país todo contra, o deputado usou o Twitter para se dizer arrependido.

"Ofereço minhas sentidas desculpas para Ronaldinho por meu comentário infeliz. Assumo a responsabilidade dos meus atos", escreveu o político mexicano, logo após virar alvo da revolta dos torcedores do Querétaro e também de muitos mexicanos pelo ato racista.

O novo clube de Ronaldinho havia pedido um "castigo exemplar" para Manuel Teviño às autoridades locais e ainda exigiu uma retratação. O deputado postou as desculpas e logo depois cancelou seu perfil já que virou vítima dos mexicanos e dos fãs de Ronaldinho.

"Peço desculpa sinceras ao clube Querétaro e aos seus torcedores pela minha lamentável expressão. Como pessoa e como jogador, Ronaldinho tem todo o meu respeito."

Revoltado por ficar preso no trânsito na sexta-feira, dia da apresentação oficial de Ronaldinho Gaúcho, o ex-secretário do Desenvolvimento Social de Querétaro (2006 a 2009), resolveu desabafar pelo Facebook e fez ataques discriminatórios contra o astro brasileiro.

"Realmente, eu tento ser tolerante, mas eu detesto futebol, e o fenômeno de idiotice que produz. Eu detesto ainda mais porque as pessoas inundam as avenidas fazendo-nos chegar duas horas mais tarde em casa. E tudo isso para ver um macaco... Brasileiro, mas ainda assim um macaco. Isso é um circo ridículo", postou.

Poucas horas depois de sua infeliz declaração, ele virou persona non grata no país. A repercussão negativa o obrigou a pedir desculpas também ao partido político, o PAN (Partido da Ação Nacional). "Ofereço de coração sinceras desculpas por minha imprudente declaração que atenta contra a instituição e seus princípios."