NOTÍCIAS
10/09/2014 21:24 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Datafolha: Geraldo Alckmin cai, mas ainda venceria no primeiro turno em São Paulo

ADRIANA SPACA/BRAZIL PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira (10) pela Rede Globo mostrou que o governador de São Paulo e candidato à reeleição, Geraldo Alckmin (PSDB), recuou de 53% das intenções de voto do levantamento anterior para 49% na disputa pelo governo do Estado.

Apesar da queda, Alckmin ainda venceria no primeiro turno. Paulo Skaf (PMDB) se manteve em 22% e Alexandre Padilha (PT) oscilou de 7% para 9%.

Gilberto Natalini (PV) e Laércio Benko (PHS) têm 1% das intenções cada. Os demais candidatos - Raimundo Sena (PCO), Gilberto Maringoni (PSOL), Wagner Farias (PCB) e Walter Ciglioni (PRTB) - não pontuaram. Votos brancos e nulos somam 8% e 'não sabem', 9%.

Segundo turno

Em uma eventual disputa em segundo turno, a pesquisa Datafolha mostrou que Alckmin venceria Skaf por 58% a 30%, mesmos índices apurados na pesquisa anterior.

O candidato do PT, de acordo com a pesquisa, ainda registra o maior índice de rejeição, embora tenha recuado de 37% para 36%. O porcentual de Skaf subiu 22% para 25% e o de Alckmin caiu de 21% para 20%.

Avaliação de governo

Com relação à avaliação da administração do governo atual, os que a consideram 'boa ou ótima' caiu de 47% para 46%. A menção regular passou de 36% para 38% e a 'ruim ou péssima' caiu de 14% para 13%. A pesquisa foi realizada com 2.046 eleitores em 56 cidades do Estado entre os dias 8 e 9 de setembro.

A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos e o índice de confiança, de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo Nº SP-00029/2014 e Nº BR-00584/2014.

LEIA TAMBÉM

- Paulo Skaf cai pela primeira vez, e Geraldo Alckmin consolida vitória no 1º turno em São Paulo, diz Ibope

- ‘Pastelão': debate de candidatos ao governo de SP no SBT faz público reclamar pela ausência de Chaves

- Alexandre Padilha mantém discurso otimista e alfineta Paulo Skaf: "Espero que não derreta"