NOTÍCIAS
08/09/2014 17:20 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Explosão de bomba no Chile deixa pelo oito feridos; governo fala em terrorismo

Luis Hidalgo / AP Photo

Uma explosão de uma bomba em um restaurante fast-food próximo a uma estação de metrô em Santiago, feriu oito pessoas nesta segunda-feira (8).

A explosão aconteceu na hora do almoço em um pequeno shopping center e praça de alimentação que se conecta à estação Escuela Militar, no bairro residencial e comercial de Las Condes.

O ministro e porta-voz do governo, Alvaro Elizalde, disse que o feito tem “todas as marcas de um ato terrorista”.

"Não há dúvidas. (O ataque) foi conduzido com a intenção de ferir pessoas inocentes", afirmou.

O governo deve acionar leis antiterrorismo, acrescentou Elizalde. As leis normalmente garantem mais poderes aos promotores e permitem sentenças mais severas.

Segundo o La Nacion, a cúpula do governo se reúne nesta noite no palácio presidencial para analisar a situação.

A galeria onde ocorreu a explosão foi esvaziada e a estação de metrô Escuela Militar foi fechada para facilitar o atendimento às vítimas. No momento, o serviço foi reestabelecido, com restrições.

Segundo serviços de emergência duas pessoas foram feridas com gravidade, entre elas uma mulher de 55 anos teve pelo menos um dedo amputado. Outras vítimas tiveram perda de audição, segundo agências de notícias.

Segundo o La Tercera presidente do país, Michelle Bachelet, foi visitar alguns dos feridos na Clínica Las Condes.

O ministro do Interior, Mahmud Aleuy, disse que a polícia acreditava que dois suspeitos armaram o dispositivo explosivo dentro de uma lata de lixo e fugiram em um Corsa Chevrolet. Nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque.

"Eu estava almoçando, ouvi o barulho e saímos para ver e vimos muita fumaça, pessoas correndo e gritando", disse Joanna Magneti, que trabalha no shopping center.

"Um rapaz estava gravemente ferido, e uma mulher tinha ferimentos na mão", afirmou.

Golpe

O Chile comemora nesta semana o 41º aniversário do golpe militar de 1973, que removeu do poder o presidente socialista Salvador Allende. Tradicionalmente, a data é marcada por protestos que às vezes se tornam violentos.

Uma série de artefatos explosivos já foi instalada perto de bancos e delegacias de polícia nos últimos anos. Em um dos casos um membro de um grupo de anarquista foi morto e outro ficou ferido quando os dois tentavam acionar o dispositivo.

Em julho, um artefato incendiário explodiu em um trem subterrâneo sem que ninguém ficasse ferido.

ATUALIZAÇÃO (23h54):ao menos 10 pessoas ficaram feridas, de acordo com a agência Reuters. Nenhum deles teve lesões potencialmente fatais. Autoridades de saúde locais disseram que um homem venezuelano na casa dos 30 anos sofreu um trauma na perna e uma mulher teve pelo menos um de seus dedos amputados. Outros sofreram perdas auditivas.

Com informações da Reuters