NOTÍCIAS
30/08/2014 16:20 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Todos fazemos a mesma "cara de bravo" quando estamos com raiva, e agora os cientistas sabem o porquê

UCSB

Quando nós ficamos bravos, tendemos a fazer sempre a mesma cara -- contraímos as sobrancelhas, apertamos as mandíbulas e abrimos as narinas como se fôssemos soltar fogo por elas. Mas por que todas as pessoas do mundo fazem a mesma cara quando estão bravas? Os cientistas não tinham muita certeza.

Até agora.

Um novo estudo sugere que nossa expressão facial de raiva faz com que pareçamos fisicamente mais fortes.

"Cada elemento é desenhado para ajudar a intimidar os outros, fazendo com que o indivíduo nervoso pareça mais capaz de machucar se não for acalmado", disse o co-autor do estudo e professor da Universidade de Griffth, Dr. Aaron Sell.

"A expressão é culturalmente universal, e mesmo crianças com cegueira congênita fazem essa mesma cara, sem nunca terem visto uma."

Para o estudo, pesquisadores mostraram diferentes imagens de um rosto masculino a 141 pessoas.

Algumas imagens não foram manipuladas de nenhuma forma, mas outras foram alteradas para que o rosto incluísse, isoladamente, traços-chave que, em conjunto, são associados com a expressão de raiva.

Alguns dos retratos tiveram as maçãs do rosto posicionadas como se o homem estivesse rosnando, ou os lábios contraídos, ou o queixo erguido. Cada foto manipulada foi exibida próxima à versão original, intocada, e os entrevistados tiveram de escolher em qual das imagens o homem parecia fisicamente mais forte.

O que os pesquisadores descobriram?

A maior parte dos entrevistados no estudo indicaram que a imagem que incluía características de um "rosto raivoso" realmente fizeram com que o homem parecesse mais forte.

"Assim como um sapo irá se encher de ar, ou um macaco irá mostrar seus dentes", disse a professora de psicologia da Universidade da Califórnia e co-autora do estudo Dra. Leda Cosmides.

"O que é mais satisfatório nesses resultados é que nenhum traço de um rosto raivoso parece ser arbitrário; todos eles passam a mesma mensagem", disse o professor de antropologia e co-autor do estudo Dr. John Tooby.

"O rosto imediatamente se organiza para adverter ao outro dos custos de não fazer a situação ficar mais aceitável."

O estudo foi publicado em setembro, no jornal Evolution and Human Behavior.