NOTÍCIAS
29/08/2014 11:57 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Revelação do debate da Band, presidenciável Eduardo Jorge critica programa Mais Médicos: 'oportunista e eleitoreiro'

MARCOS BEZERRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Celebrado nas redes sociais durante o debate da Band, realizado na terça-feira (26), o presidenciável Eduardo Jorge (PV) chamou a atenção dos telespectadores ao trazer temas considerados tabus para a discussão. Ele tratou do fim da guerra ao tráfico de drogas e da legalização do aborto.

As duas bandeiras foram aplaudidas por setores mais progressistas que assistiam ao debate.

Nesta sexta-feira (29), o jornal Folha de S. Paulo fez uma breve sabatina com o candidato, que foi secretário de Saúde de Luiza Erundina (atual PSB) e Marta Suplicy (PT) e secretário do Meio Ambiente de José Serra (PSDB) e Gilberto Kassab (PSD). Todos os cargos exerceu na capital paulista.

Médico sanitarista, Eduardo Jorge criticou um dos principais ativos eleitorais da presidente Dilma Rousseff (PT): o programa Mais Médicos. Ele defendeu o claro propósito eleitoral do programa.

"O governo precisava mostrar alguma coisa nessa área. Ele [Mais Médicos] é oportunista e eleitoreiro", condenou, na entrevista à Folha.

"Não tem problema nenhum em importar médicos, todo o mundo faz isso. Mas eles precisam passar pelos métodos de validação do país", argumentou.

Os médicos brasileiras bateram o pé no ano passado por discordar do modelo de contratação dos estrangeiros, sem vínculo trabalhista nem revalidação do diploma.

Para os sindicatos e conselhos, o programa do governo federal precariza as relações trabalhistas, uma vez que os médicos estrangeiros recebem bolsas e não salários.

LEIA MAIS:

- Médicos brasileiros se unem em campanha contra a reeleição de Dilma Rousseff

- Debate da Band em cinco atos: as cenas e declarações mais marcantes do 1º confronto dos presidenciáveis de 2014

Na sabatina, Eduardo Jorge também defendeu o uso da energia eólica e solar, como alternativas ao petróleo. "Vamos acabar com o acordo com a Alemanha e fechar as usinas nucleares em Angra", prometeu.

Ele repetiu à Folha a afirmação de paz que fez em resposta à Luciana Genro (PSOL) no debate de terça-feira.

"Somos totalmente favoráveis a uma cultura de paz mundial, marcada por uma convivência harmoniosa entre os povos."