NOTÍCIAS
25/08/2014 20:13 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:53 -02

‘Pastelão': debate de candidatos ao governo de SP no SBT faz público reclamar pela ausência de Chaves

ALICE VERGUEIRO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Se algum eleitor de São Paulo buscou a TV e a internet para obter mais detalhes sobre as eleições para o governo do Estado, o debate realizado pelo SBT, Folha de S. Paulo, UOL e Jovem Pan, realizado no fim da tarde desta segunda-feira (25), pouco ajudou a esclarecer o que pretende cada um dos sete candidatos presentes.

No geral, o que foi visto e falado ao longo de 1 hora e 45 minutos de perguntas e respostas foi bastante superficial e previsível. Em diversos momentos, todos os candidatos lançaram mão de frases prontas e promessas, muitas promessas. Tais arranjos, evidentemente, não passaram batido pelos potenciais eleitores, mais notadamente no Twitter.

Levando em conta os três primeiros candidatos nas pesquisas de intenções de voto, nenhum deles realmente conseguiu passar ileso. Como esperado, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) foi o principal alvo de todos os demais candidatos e, em linhas gerais, conseguiu apresentar os seus contrapontos. Não que tenha agregado todas as opiniões, é claro.

O tema água, aliás, foi bastante explorado – e ironizado – nas redes sociais.

O principal adversário de Alckmin, com base nas pesquisas, vem sendo Paulo Skaf (PMDB). Entretanto, assim como no debate realizado no último sábado (25) na Rede Bandeirantes, mostrou certa insegurança em alguns momentos – rendendo momentos cômicos, ao falar “estrupadores” em rede nacional. E não foi criticado apenas por isso.

Alexandre Padilha (PT), estacionado há meses na faixa dos 5% das intenções de voto, tentou ser um pouco mais agressivo desta vez, mas viu contra si uma sensação de inconsistência, pelo menos entre os internautas. Ele atacou Alckmin e Skaf quando pôde, e insistiu (e muito) na sua atuação no Ministério da Saúde, falando várias vezes do programa Mais Médicos.

Humor: ‘nanicos’ e Chaves

Outros quarto candidatos – Gilberto Natalini (PV), Laércio Benko (PHS), Walter Ciglioni (PRTB) e Gilberto Maringoni (PSOL) – também participaram do debate, e tiveram os seus momentos, para desespero dos três primeiros colocados nas pesquisas. Seja atacando o trio que está na dianteira, seja entre eles, houve momento para que eles pudessem expor seus pensamentos e gerarem momentos cômicos.

Nesse ponto, Benko foi um dos mais chamativos – mais precisamente contra Alckmin e Skaf.

Maringoni foi outro que alfinetou o quanto foi possível, a começar por Alckmin...

… chegando a Benko, que foi colocado em uma situação bem constrangedora ao confundir a ironia sobre assalto nos pedágio com os assaltos em si.

Se não houve um vencedor de fato neste debate, o pior foi escolhido por uma boa margem do público.

E pensa que acabou? Não. Deu tempo ainda para a primeira dama de São Paulo, Lu Alckmin, ser indagada durante um dos intervalos com a capciosa pergunta da reportagem da Folha: Geraldo Alckmin tem ou não tesão para governar, algo que Skaf tanto gosta de dizer em sua propaganda eleitoral?

Evidentemente, esse negócio de misturar política com outras coisas sempre rende mais zoeira do que nunca...

Sem confiança no que acabavam de presenciar, só restou uma pergunta aos internautas: e o Chaves? Foi a vez do SBT virar alvo.

Que venha o próximo debate dos candidatos ao governo de São Paulo.