COMPORTAMENTO
25/08/2014 18:10 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:53 -02

9 coisas que os bons ouvintes fazem diferente das demais pessoas

lacaosa via Getty Images

Aprendemos desde cedo a importância de ouvir — pense em quantos professores já lhe pediram para prestar atenção! —, mas a verdade é que geralmente não somos tão bons ouvintes quanto deveríamos ser.

Pesquisas revelam que a pessoa mediana ouve com apenas 25% de eficiência — ou seja, que uma parte muito grande do que ouvimos entra por um ouvido e sai pelo outro. Mas, como explica o especialista Paul Sacco, Ph.D., professor da Escola de Assistência Social da Universidade de Maryland, há apenas alguns hábitos simples que diferenciam os ouvintes ótimos das outras pessoas.

“Todos nós temos a capacidade de ser bons ouvintes”, Sacco disse ao Huffington Post. “Só depende da capacidade e do desejo de prestar atenção a onde você está e com quem está falando. Muitas pessoas se ligam no aspecto mecânico do ouvir — fazer contato olho a olho, acenar ‘sim’ com a cabeça. Mas os bons ouvintes agem com uma naturalidade que todos deveríamos buscar.”

O filósofo grego Epiteto disse: “Possuímos dois ouvidos e uma boca para que possamos ouvir duas vezes mais do que falamos”. Então como podemos começar a fazer uso mais proporcional dessas habilidades, ou, como Sacco nos aconselha, acessar o “bom ouvinte que existe dentro de nós?”

Veja abaixo nove hábitos praticados pelos bons ouvintes em seu dia a dia e que você pode adotar em sua própria vida.

Eles estão presentes

friends talking

Praticar a atenção consciente quando você conversa com alguém é a marca registrada do bom ouvinte, diz Sacco. Quando você está plenamente atento ao momento, é mais provável que se lembre do que está ouvindo e responda de modo mais autêntico. Isso significa desligar o telefone e livrar-se das coisas que distraem sua atenção. “O bom ouvinte afasta todas as outras coisas e se concentra na pessoa que está à sua frente”, diz Sacco. “Com isso, a outra pessoa percebe imediatamente que o ouvinte está interessado no que ela tem a dizer.”

Possuem empatia

Parte do ouvir com eficácia é o esforço para sentir empatia com a pessoa com quem você está conversando. Mesmo que você não se identifique plenamente com seu interlocutor, sua compaixão não passará despercebida. “Reserve um instante para colocar-se na posição da outra pessoa, visualizar o que passa por sua cabeça e como isso deve ser para ela”, diz Sacco. “Entender como é a experiência vivida por ela, antes mesmo de conversar com ela, pode ajudá-lo a se conectar com ela. E, embora isso possa soar mal, mesmo que você se confunda, ainda ficará melhor na fita porque a outra pessoa vai perceber que você fez um esforço.”

Eles se dão conta das questões em que deixam a desejar

aware

Pode parecer estranho encarar as coisas assim, mas, segundo Sacco, aceitar a si mesmo é crucial para ser um bom ouvinte. Em outras palavras, não conseguimos prestar atenção a tudo o que todo o mundo diz o tempo todo – e tudo bem. “Já tive meus momentos de falhar como ouvinte reflexivo”, Sacco admite. “Às vezes o simples fato de ter a intenção de ouvir, mas permitir-se falhar de vez em quando, já é o bastante.”

Eles têm a mente aberta

Os bons ouvintes sabem que nem todas as conversas que têm vão resolver alguma questão maior. Mas cada conversa os leva um pouco mais perto de compreender as pessoas com quem se comunicam diariamente. “Ouvir não é mágica”, Sacco explica. “Se tenho um conflito com minha filha, ainda tenho um conflito. Mas ouvir colocar você em uma posição em que pode começar a resolver os problemas. Permite que as pessoas entendam os pensamentos umas das outras.”

São emocionalmente inteligentes

self aware

A inteligência emocional – ou seja, a consciência de nossas emoções e das emoções daqueles que nos cercam – pode ajudar a aprimorar qualquer interação, especialmente quando se trata de ouvir.

De acordo com Travis Bradberry, autor de Emotional Intelligence 2.0, cultivar um “IE” alta é importantíssimo quando você aprimora sua habilidade de ouvinte. E, para isso, só é preciso prática e atenção. “Quando você fica apenas pensando no que vai dizer a seguir, você não está ouvindo”, ele disse ao Chicago Tribune em 2011. “Mas, parando de fazer o que está fazendo e realmente prestando atenção na pessoa que está falando, você ativa neurônios em seu cérebro, e seu corpo começa a entrar em sintonia com a outra pessoa. Isso o ajuda a reter mais informação.”

Fazem perguntas significativas

Ouvir com atenção não quer dizer apenas ouvir, mas também fazer perguntas pertinentes a seguir, para extrair mais informações. Essa capacidade de dar feedback que promove a reflexão é uma das melhores maneiras de mostrar que você está interessado no que seu interlocutor tem a dizer, Sacco explica. “As pessoas que são boas ouvintes validam os sentimentos dos outros. Isso mostra que o que o outro está dizendo faz sentido.”

Não ficam na defensiva

friends talking

Nem tudo que você vai ouvir será lindo. “Sou ótimo ouvinte quando uma pessoa me fala coisas que eu quero ouvir”, Sacco explica. “A coisa complica um pouco quando alguém lhe dá feedback que você acha perturbador ou que sente como prejudicial a seu ego.”

Os ouvintes eficazes não fecham os ouvidos às críticas negativas. Em vez disso, prestam atenção e entendem o que o outro está tentando transmitir, antes de responder. “Eles têm consciência de suas próprias reações às outras pessoas”, Sacco explica. “A diferença entre um ouvinte péssimo e outro muito bom às vezes pode estar no tempo que ele leva para reagir. Muitas conversas podem ir muito mal ou muito bem, dependendo de sua capacidade de fazer um pause e aguardar um momento antes de responder.”

Não se incomodam quando se sentem incomodados

Além de não se posicionar defensivamente, Sacco recomenda que você se abra a todas as emoções durante suas conversas, até a sentimentos de desconforto ou raiva. “É preciso ficar à vontade com a ideia de ficar incomodado”, ele explica. “Quando você está tendo uma conversa difícil com alguém e quer ouvir plenamente, isso pode ser difícil, mas é importante tentar.”

São bons líderes

leader

Pesquisas apontam para uma correlação direta entre liderança forte e boa habilidade de ouvir, e isso não chega a surpreender. Como escreve Richard Branson, CEO do Virgin Group, os líderes e empreendedores mais eficazes ouvem mais do que falam:

“Para ser um bom líder, é preciso ser ótimo ouvinte. As ideias brilhantes podem se manifestar nos lugares mais inesperados; logo, é preciso sempre ficar atento para ouvir conselhos inteligentes. Isso pode significar acompanhar observações online tão atentamente quanto as anotações feitas em reuniões do conselho, ou pedir a opinião de profissionais de uma empresa tão frequentemente quanto as dos executivos-chefes. Vá lá, ouça as pessoas, faça-as conversar e aprenda com elas.”