NOTÍCIAS
19/08/2014 19:06 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

DJs da Libéria lançam música sobre Ebola para conscientizar população

Reprodução/YouTube

No início de maio, quando as notícias de Ebola ainda não estampavam as capas dos jornais internacionais, dois produtores musicais da Libéria já estavam trabalhando para fazer uma música de conscientização sobre o vírus.

De acordo com a NPR, Samuel "Shadow" Morgan e Edwin "D-12" Tweh cresceram juntos em campos de refugiados de Ghana, fugidos da guerra civil da Libéria.

A mistura dançante de dance com kuduro foi feita em um dia. Na mesma noite, Shadow disponibilizou a faixa na internet.

Três dias depois, já tocava em toda a Libéria, com direito a coreografia: uma dança com beijos e abraços à distância (para não infectar o coleguinha).

Como na Libéria a taxa de alfabetização gira em torno de apenas 43%, o rádio é um meio de comunicação muito importante para conscientizar a população sobre a epidemia.

A música traz instruções para evitar que o vírus se espalhe: "Não encoste no seu amigo! Não beije, não coma algo. É perigoso!", diz o refrão. "Eu sei qual é o remédio. Abraços à distância, apertos de mão à distância, não encoste em mim!"

Outra parte da letra fala sobre a dificuldade de conscientização do Ebola na Libéria, onde correm boatos de que o governo mente sobre a existência do Ebola.

Neste sábado, um grupo de invasores atacou um centro de isolamento de pacientes em West Point -- uma região de favelas na Monróvia -- para libertar pacientes da quarentena.

ENCONTRADOS

Os 17 pacientes que fugiram de um centro de quarentena em Monróvia, na Libéria, foram encontrados neste fim de semana, dizem as autoridades do país.

Conforme reportagem do Guardian, eles foram transferidos para outra clínica e estão sendo examinados.

O centro foi atacado por homens armados com cassetetes no sábado (16), e 17 pessoas suspeitas de estarem infectadas pelo vírus de Ebola fugiram.

"Ellen Sirleaf [presidente] está arruinada! Ela quer dinheiro. Não existe Ebola na Libéria", gritavam os invasores, segundo o Guardian.

Os invasores fugiram levando colchões dos pacientes e lençóis ensanguentados que, provavelmente, estavam contaminados.

BALANÇO

Nesta terça, a Organização Mundial de Saúde divulgou um novo balanço: nos últimos três dias, 84 pessoas morreram por causa da doença, que já fez 1.229 vítimas no mundo desde o início do ano.

O epicentro do surto, que começou na Guiné, migrou para a Libéria. Entre 14 e 16 de agosto, 53 pessoas morreram de Ebola no país, que também concentra o maior número de mortos: 413.