NOTÍCIAS
14/08/2014 08:47 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Morte de Eduardo Campos: saiba quais são as 6 perguntas ainda sem resposta após queda de avião

CARLA CARNIEL/FRAME/ESTADÃO CONTEÚDO

A morte do candidato à Presidência da RepúblicaEduardo Campos (PSB) chocou todo o Brasil nesta quarta-feira (13). A tragédia, ocorrida em Santos, no litoral paulista, ainda é um mistério no que diz respeito ao que fez o avião Cessna 560XL, prefixo PR-AFA, cair sobre uma área residencial, matando Campos e outras seis pessoas que estavam a bordo.

As causas do acidente – que agora estão sendo investigadas por oito profissionais do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) – são apenas parte das várias interrogações que ainda permanecem, pouco menos de 24 horas depois do acidente.

A reportagem do Brasil Post listou seis perguntas que ainda aguardam uma resposta, seja no âmbito da tragédia aérea, seja no que diz respeito às eleições presidenciais deste ano no Brasil.

1 - O que trarão as caixas pretas?

As caixas pretas do avião foram encontradas na noite desta quarta-feira na área do acidente. As conversas dos pilotos com os controladores de voo, somadas aos dados técnicos do voo entre o aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, e o destino final que seria o Guarujá (SP), poderão ajudar os investigadores a traçar o que deu errado.

Trechos do contato final da cabine de comando do avião já estão na internet e mostram um dos pilotos informando o controle aéreo sobre o pouso. Não há qualquer sinal de problema, com base neste trecho. O mistério permanece até o fim das investigações.

2 – Mau tempo? Fogo?

Moradores do bairro Boqueirão, onde o avião caiu, relataram que a aeronave já estaria em chamas antes de cair e danificar oito imóveis, além de ferir sem gravidade cinco pessoas que estavam no solo.

Por outro lado, o tempo era ruim no momento em que o avião se preparava para pousar, tanto que foi preciso arremeter. É aqui que crescer as especulações em torno da possibilidade do aparelho ter perdido a sustentação.

3 – Falha humana teria sido causada por carga excessiva dos pilotos?

O Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) informou nesta quarta-feira que recebeu uma denúncia de que os dois pilotos responsáveis pelo voo de Eduardo Campos – Geraldo Cunha e Marcos Martins – estariam cumprindo uma carga acima do permitido pela lei brasileira, o que ocasionaria uma fadiga que, eventualmente, poderia contribuir para o acidente.

A possibilidade de falha humana é outro ponto a ser apurado pela investigação.

Galeria de Fotos Avião cai em Santos e mata Campos Veja Fotos

4 – Avião “nunca teve problema” ou “já havia falhado no PR”?

De um lado, um piloto que voou com Campos no primeiro semestre deste ano disse que o avião que caiu em Santos “nunca teve problema”. De outro, um deputado estadual do PSB do Paraná relembrou que há quase dois meses atrás, durante uma agenda de Campos e Marina Silva no Estado, o mesmo avião que caiu no litoral paulista já havia apresentado problemas.

A única certeza neste momento é que não havia nenhuma impossibilidade, tanto dos pilotos quanto da aeronave, em operarem. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) já adiantou que avião e profissionais de cabine estavam regulares junto à entidade.

5 – Que caminho o PSB e Marina Silva vão tomar?

Até o dia 23 de agosto o PSB e Marina Silva terão de informar os rumos da candidatura presidencial até então encabeçada por Campos. O raciocínio natural aponta para que a vice – no caso, Marina – assuma a vaga do ex-governador de Pernambuco no pleito. Entretanto, o que parece provável ainda pode enfrentar resistências e algumas negociações.

É preciso relembrar que Marina Silva pretendia se lançar candidata à Presidência pelo seu partido de fato, a Rede Sustentabilidade. Contudo, a sigla criada por ela não conseguiu obter registro junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a tempo de participar destas eleições. Se unir a Campos e ao PSB foi a maneira de seguir na disputa pelo Palácio do Planalto.

Algumas posições do PSB – notadamente algumas alianças do partido em Estados como SP e PR, por exemplo – desagradaram profundamente Marina e os correligionários dela na Rede. Já o PSB integrou a base do governo federal durante praticamente todo o período em que o PT está no comando do País, o que poderia levar o partido a abdicar da campanha, em apoio à reeleição de Dilma Rousseff. Ou se associar ao tucano Aécio Neves, fortalecendo a oposição.

Por ora, são apenas conjecturas. Mas algum caminho dos citados acima deverá ser o escolhido.

6 – O que a tragédia vai significar para o cenário eleitoral?

As palavras elogiosas de amigos e até de adversários mostram que a tragédia envolvendo Campos pode ganhar contornos significativos não só na corrida presidencial, mas também em vários Estados do País. O peesebista era bastante respeitado na classe política brasileira e a lacuna aberta pela sua morte pode representar cenários bastante preocupantes para opositores.

Antes mesmo da oficialização da parceria de Marina Silva com Campos, muitas pessoas ligadas ao PT diziam temer que, em algum momento, a então vice pudesse assumir o comando da chapa, caso Campos não engrenasse nas pesquisas de intenção de voto. Tal fato nunca foi cogitado, segundo Campos disse em sua última entrevista antes de morrer à Globo News.

O tom trágico e uma eventual manutenção da candidatura do PSB no quadro presidencial pode dar um ar “messiânico” e “heroico” à campanha, no que diz respeito à chamada terceira via, aquela oferecida pelo ex-governador de Pernambuco, ante o maniqueísmo dos últimos 20 anos entre PT e PSDB no comando do Brasil.