NOTÍCIAS
14/08/2014 12:03 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Datafolha inclui Marina Silva como candidata à Presidência no lugar de Eduardo Campos em pesquisa que já começou

Montagem / Estadão Conteúdo

O Instituto Datafolha começa nesta quinta-feira (14) pesquisa eleitoral em que Marina Silva aparece como candidata à Presidência da República pelo PSB, no lugar de Eduardo Campos, morto em acidente aéreo na quarta-feira (13).

O Datafolha registrou na Justiça Eleitoral na quarta-feira (13) a pesquisa de intenção de voto. Serão testados dois cenários. No primeiro, Marina Silva, vice na chapa de Eduardo Campos, assume a candidatura do PSB. No outro, o partido aparece sem candidato.

As entrevistas começam na quinta-feira (14) e vão até sábado, dia esperado para o enterro de Campos. Serão ouvidos 2.884 eleitores. O resultado sairá na edição de segunda-feira do jornal Folha de S. Paulo.

De acordo com o jornal Valor Econômico, o levantamento estava previsto para ocorrer na segunda e terça-feira (dias 18 e 19), para medir o impacto das entrevistas dos presidenciáveis no Jornal Nacional e no dia em que começa o horário eleitoral gratuito em rádio e TV.

Resultados anteriores

Na última pesquisas do instituto, divulgada em 18 de julho, Campos tinha 8% das intenções de voto, atrás de Aécio Neves (PSDB), com 20%, e Dilma Rousseff, com 36%.

Antes do anúncio oficial de candidatura, quando Marina era apresentada como candidata, era a adversária mais próxima de Dilma nas simulações. A ex-senadora chegaria a 23%, contra 43% da petista.

Na eleição presidencial de 2010, Marina Silva obteve 17,7% quando concorreu pelo Partido Verde, atrás dos 29,8% de José Serra (PSDB) e de 42,9% de Dilma.

O instituito Ibope informou que não vai aguardar a definição do PSB sobre a candidatura antes de realizar a próxima pesquisa, ainda de acordo com o Valor. Não havia nenhuma sondagem em andamento. A coligação liderada pelo PSB tem até nove dias para indicar quem comandará a chapa.

“Eduardo Campos vinha surgindo como uma das novas lideranças do cenário político nacional e sua morte prematura é uma grande perda para o país. As pesquisas estaduais já realizadas até esta data serão divulgadas. Somente realizaremos novas pesquisas para divulgação após a definição do partido”, informou nota do instituto.

LEIA MAIS

- Há uma cadeira vazia na sucessão presidencial

- A campanha começa hoje

- 'Uma tragédia que nos impõe luto e profunda tristeza', diz Marina Silva, abatida, sobre morte de Eduardo Campos