NOTÍCIAS
01/08/2014 12:26 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Patrícia Marx, ex-Trem da Alegria, posta foto fumando maconha e defende consumo da erva

Reprodução/Instagram

Lembra-se dela? A cantora Patrícia Marx, de 40 anos, que fez sucesso entre os anos 80 e 90, com o grupo infantil Trem da Alegria, gerou polêmica nas redes sociais nesta quinta-feira (31) ao publicar uma imagem fumando um baseado em seu Instagram e, na legenda, escrever um texto defendendo o consumo da erva.

"Fumo porque me liberta. Fumo porque quero. Porque sou rebelde. Porque acho contraditório. Porque quero provocar vocês. Porque gosto de estar no Todo que isso me proporciona. Porque faz bem e não o mal que o cigarro faz. Porque provoca alegria. Porque é um ato político. Porque sou do contra. Porque há um tabu que eu quero desfazer. Porque nem todo mundo entende. Porque muita gente entende. Porque fazer musica e cantar assim é um voo, uma entrega brilhante. Porque sou criativa e gosto de estar estimulada. Porque me faz perceber coisas que nao enxergo no dia a dia. Porque é perfumado. Porque eu quero fazer você pensar e se livrar do preconceito com relação a tudo. Apologia ou não, segue o meu parecer. Você decide. #maconha #assuntoserio #paporeto #menteaberta #vocetem? Foto por @bigabp”

Os seguidores apoiaram o post de Patrícia, com direito a imagens de aplausos e corações. Em contrapartida, alguns criticaram a postura da cantora. Na manhã desta sexta-feira (1), a publicação foi removida pela cantora.

Patrícia não foi a primeira famosa a aparecer defendendo o consumo da maconha nas redes sociais. Rihanna, Miley Cyrus, e Leandra Leal são exemplos de mulheres que já se manifestaram a favor da legalização.

Em entrevista ao colunista Bruno Astuto, da revista Época, Patrícia disse que publicar a foto foi uma atitude pensada e que está usando seu Instagram para se mostrar como pessoa,

"É a Patrícia e não a Patrícia Marx. Existia uma dicotomia entre a personagem e a pessoa. Porque lógico que as pessoas estão esperando por um personagem nesse meio artístico, mas isso não combina comigo há muito tempo", contou ao colunista.

Sobre as críticas que recebeu nas redes sociais, a ex-Trem da Alegria foi categórica.

"Morro de rir. Mas entendo. Tenho que respeitar. Sou a favor da legalização da maconha porque é uma coisa ridícula... O álcool e o cigarro são lícitos e a indústria ganha um dinheirão em cima disso. Maconha não é do mal, é natural."

LEIA MAIS:

- New York Times pede a liberação da maconha nos EUA

- Ariana Huffington: vamos acabar com a guerra contra as drogas