NOTÍCIAS
31/07/2014 15:32 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Porta-voz da ONU chora durante entrevista após bombardeio de escola em Gaza

Depois do bombardeio de uma escola da ONU que abrigava mais de 3.000 palestinos nesta quarta (30), o porta-voz da ONU Chris Gunnes foi chamado para dar uma entrevista na TV Al Jazeera.

"Os direitos dos palestinos, mesmo os das crianças, são amplamente negados. É terrível.", dizia ele quando... Começou a chorar.

Gunnes não conseguiu segurar a emoção diante dos tristes fatos: ao menos 17 pessoas morreram, e 90 ficaram feridas no segundo ataque a uma escola da ONU que refugiava famílias palestinas desabrigadas. "As minhas lágrimas não são nada se comparadas com as de Gaza", disse ele em seu Twitter.

Segundo a ONU, Israel foi avisada 17 vezes de que a escola abrigava civis. O exército israelense nega a autoria do ataque.

"Na noite passada, crianças foram mortas enquanto dormiam grudadas em seus pais no chão de uma sala de aula, em um abrigo da ONU. Crianças mortas durante o sono; isso é uma vergonha universal", disse Pierre Krähenbühl, comissário-geral da agência para refugiados da ONU (UNRWA) em pronunciamento à imprensa. A agência enfrenta dificuldades para lidar com a avalanche de quase 250 mil palestinos desabrigados pelos ataques.

Mesmo os Estados Unidos, um dos mais firmes apoiadores de Israel, condenaram o ataque. "O bombardeio a uma instalação da ONU que está abrigando civis inocentes que estão fugindo da violência é indefensável e totalmente inaceitável", afirmou o porta-voz da Casa Branca Josh Earnest a jornalistas.

Ao menos 1.372 palestinos - em sua imensa maioria, civis - morreram na região desde 8 de julho. Do lado israelense, 56 soldados e três civis foram mortos.

(Com informações da Reuters)

LEIA MAIS:

- ONU diz que Israel e Hamas estão cometendo crimes de guerra na Faixa de Gaza

- Bombardeio israelense mata 19 palestinos refugiados em escola da ONU em Gaza