NOTÍCIAS
29/07/2014 18:30 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Após polêmica com Dilma, Santander demite funcionário e presidente diz que "isso acontece muitas vezes"

NILTON FUKUDA/ESTADÃO CONTEÚDO

O presidente global do Banco Santander, Emilio Botín, afirmou nesta terça-feira (29) que o analista responsável pela análise polêmica em torno da presidente Dilma Rousseff foi demitido. Ele não deu detalhes sobre o assunto, mas reafirmou a “parceria” da instituição financeira com o Brasil.

“A opinião foi de um analista, não é a opinião do Banco Santander”, destacou Botín. O executivo disse ainda, durante coletiva à imprensa nesta tarde, no encerramento do III Encontro Internacional de Reitores, no Rio, que o presidente do Santander no Brasil, Jesús Zabalza, enviou uma carta à presidente Dilma, mas não revelou seu conteúdo.

“Quero dizer-lhe (à presidente), isso acontece muitas vezes. Temos 180 mil funcionários em dez países importantes. Isso acontece muitas vezes em muitos bancos”, afirmou Botín.

O informe econômico enviado a clientes do segmento Select (renda mensal superior a R$ 10 mil mensais) na semana passada sugeria deterioração da economia no caso da reeleição de Dilma. Durante sabatina na segunda-feira (28), a presidente classificou a resposta do banco como "protocolar" e disse ser "inadmissível" que o mercado financeiro interfira nas eleições.

“Perguntem a eles (por que não vieram). Eu não sei”, disse Botín ao ser questionado sobre a ausência de representantes do Planalto no encontro. Ele ainda elogiou o ex-presidente Lula – outro que criticou o informe do banco –, classificando-o como “um grande amigo”.

Consultor critica ação do governo Dilma

Em entrevista ao site da revista Veja, o analista da consultoria de investimentos Empiricus Research, Felipe Miranda, criticou a atitude do governo federal em “cercear” a opinião emitida em análises econômicas sobre o cenário atual no Brasil. Na mesma semana da polêmica com o Santander, o Planalto acionou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a empresa.

De acordo com os petistas, a Empiricus Research teria vinculação com a candidatura de Aécio Neves (PSDB) para realizar um “terrorismo eleitoral”, ao fazer análises pessimistas sobre a economia brasileira. A consultoria acabou sendo obrigada a retirar dois textos do ar por conta da decisão do TSE.

“Os dois textos são muito claros: tratam de uma tese econômica que não é nova e que mostra que a bolsa cai quando a Dilma sobe nas pesquisas, e sobe quando o Aécio melhora. O objetivo é simples: nossos clientes devem se proteger desses solavancos”, comentou Miranda à revista. O analista afirmou ainda que seguirá prestando serviço aos clientes, com base em suas próprias perspectivas.

“Nós estamos pessimistas em relação à economia e não posso ignorar isso em minhas análises. No caso do Santander, entendo que ficou feio para o banco ter de voltar atrás na opinião de um analista. Mas não me surpreende, pois os grandes bancos não querem romper relações com o governo. Mas nós somos independentes e só temos compromisso com nossos clientes”, finalizou.

(Com Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM

- Dilma Bolada volta ao ar no Facebook dias após "negociar com Palácio do Planalto"

- Dilma admite erros na economia, mas defende governo em meio a "pessimismo exagerado" de setores no Brasil

- Dilma Rousseff tem 60% de chances de perder eleição, diz consultoria MCM